12:29 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores iraniano, Mohammad Javad Zarif

    Não haverá guerra, apesar do desejo de aliados de Trump, diz chanceler do Irã

    © Sputnik / Vladimir Pesnya
    Oriente Médio e África
    URL curta
    860

    O conflito armado no golfo Pérsico não se manifestará porque ninguém tem "ilusões" sobre avançar seriamente contra o Irã, declarou o ministro de Relações Exteriores do país, em meio à recente escalada diante dos EUA e seus aliados regionais.

    "Não haverá guerra porque nem nós queremos uma guerra, nem ninguém tem a ideia ou a ilusão de que possa enfrentar o Irã na região", disse Mohammad Javad Zarif à agência IRNA neste sábado, durante uma viagem a Pequim.

    No entanto, há pessoas no círculo do presidente estadunidense Donald Trump que "procuram pretextos" para conduzir o país em uma guerra com o Irã, mesmo que Trump pessoalmente não queira que isso aconteça, disse o ministro.

    Zarif já havia alertado sobre os projetos dos radicais de política externa do que ele chamou de "Equipe B", que inclui o conselheiro de segurança nacional de Trump, John Bolton.

    As tensões entre Teerã e Washington aumentaram na semana passada depois de relatos de ataques a quatro navios, incluindo dois petroleiros sauditas, na costa de Emeriti, perto da entrada do golfo Pérsico. Ninguém havia reivindicado a responsabilidade pelo suposto incidente, mas as notícias aumentaram o medo de um conflito maior em erupção.

    Os EUA enviaram um grupo de porta-aviões para o golfo e, na quarta-feira, ordenaram a evacuação parcial de sua embaixada e de um consulado no Iraque, na fronteira com o Irã. Isso coincidiu com os relatos de que o Pentágono propusera enviar até 120 mil soldados no Iraque, caso o Irã abrisse hostilidades.

    As relações entre os EUA e o Irã vêm se deteriorando desde que o presidente Trump optou por abandonar o Plano de Ação Integral Conjunto (JCPOA) sobre o programa nuclear iraniano no ano passado, acusando a República Islâmica de violar o acordo. Ele então reimpôs sanções ao Irã, visando o comércio de petróleo e as finanças do país.

    O Irã negou as acusações e optou por manter o JCPOA até a semana passada, quando o país suspendeu parcialmente seus próprios compromissos sob o acordo. Autoridades iranianas explicaram que vão levantar algumas restrições à produção de urânio enriquecido e água pesada em um local de pesquisa em Arak.

    O presidente iraniano Hassan Rouhani disse que Teerã dá a outras partes do JCPA, incluindo a União Europeia, 60 dias para negociar a reversão dessas ações.

    Mais:

    Análise: é possível operação militar dos EUA contra Irã através do Iraque?
    Bahrain pede que seus cidadãos deixem o Irã e o Iraque 'imediatamente'
    EUA querem conversar enquanto 'seguram uma arma' contra nós, diz oficial do Irã
    Tags:
    diplomacia, JCPOA, acordo nuclear, ameaça, guerra, IRNA, John Bolton, Hassan Rouhani, Mohammad Javad Zarif, Donald Trump, golfo Pérsico, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar