18:23 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Moçambicanos à beira de um rio após o ciclone Idai

    Novo ciclone em Moçambique já provocou 5 mortes

    © AP Photo / Tsvangirayi Mukwazhi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    112
    Nos siga no

    Autoridades de Moçambique pediram neste sábado que os moradores de áreas próximas aos rios no norte do país se mudem para áreas mais altas depois que o ciclone Kenneth provocou fortes chuvas e inundações, informou Reuters.

    O ciclone já matou cinco pessoas e arrasou casas ao redor da costa norte de Moçambique antes de atingir a província de Cabo Delgado, no interior do país. O governo teme que os rios transbordem e provoquem mais inundações.

    A Direção Nacional de Gestão de Recursos Hídricos do país informou que o rio Megaruma registou um aumento acentuado no volume, o que causou algumas inundações nas zonas costeiras e baixas do rio nos distritos de Mecufi e Chiure, ao sul da capital da província, Pemba.

    O rio Messalo também deve causar inundações nos distritos de Muidumbe e Macomia, ao norte de Pemba, disseram autoridades em um comunicado.

    "Dado este cenário, recomenda-se que a população que vive nas áreas mencionadas acima se retire imediatamente para áreas altas e seguras".

    Kenneth atingiu Moçambique apenas seis semanas após o Ciclone Idai, que devastou a cidade portuária da Beira e provocou enchentes em todo o país. Idai provocou a morte de mais de mil pessoas em Moçambique, no Zimbabué e no Malawi.

    O Programa Mundial de Alimentos alertou que Kenneth poderá trazer mais chuva ao norte de Moçambique nos próximos dias, aumentando os temores de que as inundações possam recorrer em uma região propensa a inundações e deslizamentos de terra.

    Mais:

    Pobreza, fome e devastação: russos e italianos ajudam moçambicanos após ciclone (FOTOS)
    Número de mortos por ciclone em Moçambique chega a 501
    Após ciclone matar 493 pessoas, Moçambique registra 138 casos de cólera
    Moçambique confirma surto de cólera após ciclone Idai
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar