09:30 19 Maio 2019
Ouvir Rádio
    Primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu (Foto de aquivo)

    Netanyahu sobre julgar Exército de Israel por crimes de guerra: 'É absurdo'

    © AP Photo / Sebastian Scheiner
    Oriente Médio e África
    URL curta
    15422

    O primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu considera "absurdo" julgar soldados israelenses por supostos crimes de guerra cometidos contra palestinos nos territórios ocupados.

    "É absurdo que o Tribunal Penal Internacional processe soldados americanos ou israelenses", disse o premiê.

    Nesta semana, Netanyahu elogiou a decisão do Tribunal Penal Internacional de não acusar as tropas americanas de alegados crimes de guerra cometidos no Afeganistão.

    A corte penal está considerando a acusação contra soldados israelenses de crimes de guerra alegadamente cometidos durante as suas intervenções na Faixa de Gaza e como consequência da construção dos colonatos judeus na Cisjordânia.

    O Conselho de Direitos do Homem das Nações Unidas elaborou uma base de dados secreta com nomes e ações dos soldados e oficiais israelenses suspeitos de terem cometido crimes de guerra durante a repressão dos protestos palestinos no decorrer do último ano em Gaza.

    Para o premiê israelense, a decisão do TPI desta semana sobre os Estados Unidos tem "implicações extraordinárias" para Israel e o resto do mundo, além de que o tribunal foi criado para responder às atrocidades cometidas por países que não têm um sistema legal respeitado, o que não seria o caso de Israel.

    Mais:

    Netanyahu promete fundos estatais para empresa enviar 2ª sonda israelense à Lua
    Após falha, Netanyahu promete levar nave de Israel à Lua em até 3 anos
    Bolsonaro cumprimenta Netanyahu por reeleição
    Netanyahu é reeleito premiê de Israel
    Tags:
    crimes de guerra, Exército de Israel, Tribunal Penal Internacional (TPI), Benjamin Netanyahu, Faixa de Gaza, Cisjordânia, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar