08:15 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    BTR-60 (imagem referencial)

    Blindado soviético de modernização rara é avistado na Líbia (VÍDEO)

    © Foto: Wikipedia
    Oriente Médio e África
    URL curta
    180

    Na Líbia está sendo realizada uma transferência em grande escala de tropas subordinadas ao comandante do Exército Nacional da Líbia (LNA) Khalifa Haftar.

    Entre os armamentos que estão sendo transferidos se encontram tanques T-55, blindados de artilharia autopropulsados Gvozdika 2S, lançadores múltiplos de foguetes Grad e alguns blindados de transporte incomuns.

    Trata-se dos blindados de transporte BTR-60PB de uma modificação rara. Como indica o portal Russkoe Oruzhie, estes veículos diferem das versões iniciais: possuem portas nos lados para o embarque e desembarque de soldados.

    Reforço da LNA em Gherean, 75km a sul de Trípoli, na Líbia — confira os BTR-60 e BRDM-2 de produção soviética

    As torres são equipadas com metralhadoras de grande calibre KPVT de 14,5 mm, metralhadora Kalashnikov PKT de 7,62 mm e granadas de fumo. Os dois motores a gasolina também foram substituídos por um motor a diesel.

    Esta modernização foi realizada com a participação de especialistas estrangeiros pouco antes do início da guerra civil. Anteriormente, acreditava-se que a maioria destes veículos blindados modernizados tinha sido destruída em combate, no entanto, parece que alguns deles ainda estão em serviço.

    Reforço da LNA em Gherean, 75km a sul de Trípoli, na Líbia

    Também foram vistos veículos de reconhecimento BRDM-2, que são usados para fornecer apoio de fogo e destruir veículos leves de terroristas.

    Mais:

    Lendário tanque soviético com janelas ajuda a treinar militares na Argélia (FOTOS)
    Rara versão de veículo lançador de foguetes soviético foi flagrada no Iêmen (FOTOS)
    Lendário 'matador de feras' soviético combate Daesh na Síria (VÍDEO)
    Tags:
    rara, modificações, veículos blindados, Khalifa Haftar, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar