13:54 20 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Embaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari

    Diplomata sírio sugere que os EUA deem estados a Israel ao invés de apoio sobre Golã

    © REUTERS / Denis Balibouse
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1191
    Nos siga no

    O embaixador da Síria na ONU, Bashar Jaafari, sugeriu aos EUA que deem "um par" de seus próprios estados para Israel, em vez de desrespeitar a lei internacional e vender a terra de outros por favores com o lobby israelense, como aconteceu com as Colinas de Golã.

    Jaafari ofereceu uma severa repreensão à reivindicação israelense, apoiada pelos Estados Unidos, às colinas ocupadas na reunião do Conselho de Segurança da ONU na quarta-feira. Jaafari disse que o governo Trump faz o pedido do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, para que a ONU agrade o poderoso lobby israelense nos EUA.

    Em uma observação que provocou uma risada e um tremor de cabeça do seu homólogo israelense, Jaafari sugeriu que Washington entregue a terra que é realmente sua para Tel Aviv.

    "Você pode dar-lhes Carolina do Norte e do Sul, por exemplo, por que não? A Carolina do Sul é um grande pedaço de terra […] Então, dê a Israel alguns estados se este governo realmente quiser ter apoio israelense", provocou o diplomata sírio.

    A decisão de Trump de apoiar a reivindicação israelense às Colinas de Golã está à frente das eleições gerais de Israel em 6 de abril e tem sido amplamente considerada como um impulso eleitoral para Netanyahu, que enfrenta acusações de fraude, suborno e quebra de confiança em casa.

    "Não seja equivocado ao pensar que um dia esta terra será sua devido à hipocrisia ou a ser um peão no jogo eleitoral em que vocês trarão apoio uns aos outros, para que os israelenses possam ter sucesso em suas eleições e os americanos também possam obter apoio de grupos de lobby israelenses nos EUA", acrescentou Jaafari.

    As Colinas de Golã, confiscadas por Israel durante a Guerra dos Seis Dias em 1967 e formalmente anexadas em 1981, vão "voltar" para a Síria, assegurou o diplomata sírio.

    A reunião do Conselho de Segurança foi convocada a pedido da Síria. Damasco insiste que o reconhecimento das Colinas de Golã, ocupadas por Israel, é contrário às resoluções da ONU que expressamente declaram a anexação como "nula e sem efeito".

    Os adversários e aliados de Washington se alinharam para condenar a violação do direito internacional. A Liga Árabe, Turquia, Irã e Rússia se manifestaram contra o reconhecimento. O presidente da Câmara Baixa do Parlamento russo (Duma), Vyacheslav Volodin, declarou que se tratava de uma "estrada para a guerra". Em uma reunião do conselho na quarta-feira, o vice-enviado russo Vladimir Safronkov disse que, ao se aliar a Israel, Washington dificulta os esforços para melhorar a segurança nas Colinas de Golã e aliviar as tensões entre o mundo árabe e o próprio Estado judeu.

    "Isso não apenas agrava a situação na Síria e dificulta o estabelecimento de processos políticos, mas também cria sérios obstáculos à normalização das relações entre Israel e os Estados Árabes", ponderou, acrescentando que os EUA seguiram em frente com sua decisão olho para "a opinião e as advertências a nível internacional e regional".

    Mais:

    Decisão dos EUA para agradar Israel em Golã é estrada para guerra, diz parlamentar russo
    Trump assina decreto reconhecendo a soberania de Israel sobre Colinas de Golã
    Trump quer 'demolir' a lei internacional ao reconhecer ocupação de Israel em Golã, diz HRW
    Tags:
    diplomacia, soberania, Guerra dos Seis Dias, Conselho de Segurança da ONU, Vladimir Safronkov, Vyacheslav Volodin, Benjamin Netanyahu, Donald Trump, Bashar Jaafari, Colinas de Golã, Israel, Estados Unidos, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar