20:01 15 Junho 2019
Ouvir Rádio
    Vista aérea do acampamento informal Rukban, entre as fronteiras da Jordânia e da Síria.

    Ministério da Defesa da Rússia encontra 300 novas covas perto do campo de Rukban na Síria

    © AP Photo / Raad Adayleh
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8130

    O Ministério da Defesa russo informou nesta terça-feira que imagens de satélite revelaram 300 novas covas perto da cerca do campo de refugiados de Rukban, localizado no território sírio controlado pelos Estados Unidos.

    De acordo com o Ministério, o campo está cercado por uma vala e uma cerca, controlado por jihadistas que se recusam a autorizar que refugiados deixem as instalações.

    "De fato, o campo há muito tempo perdeu seu status, transformando-se em uma reserva com reféns forçados. Um cemitério com 300 covas 'frescas' foi encontrado no lado sul da cerca do acampamento", disse o comunicado do ministério.

    Segundo o Ministério da Defesa da Rússia, os moradores do campo estão enfrentando más condições sanitárias.

    "Os aterros estão localizados perto de casas residenciais. Não há lojas de alimentos e postos de refeições. A troca de alimentos e outros produtos ocorre em mercadinhos espontâneos, controlados por jihadistas", acrescentou o comunicado.

    O campo de Rukban, que abriga cerca de 40 mil pessoas deslocadas, está localizado na parte sul da Síria, não muito longe da Jordânia. A área, que se tornou um campo de refugiados para residentes sírios em 2014, é agora uma zona controlada pelos EUA.

    Em janeiro, a Organização Mundial da Saúde (OMS) denunciou que as pessoas vivendo nestes campos estavam "em condições deploráveis" e se tornavam "presas fáceis" de terroristas. O suprimento limitado de água, o clima extremamente frio e o mau funcionamento das instalações de saúde contribuem para o aumento das doenças, que incluem a gripe, o sarampo, a tuberculose e as doenças respiratórias crônicas, de acordo com a OMS.

    Tags:
    Ministério da Defesa da Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar