15:21 04 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1154
    Nos siga no

    O presidente do Irã, Hassan Rouhani, disse nesta quarta-feira que seu país estaria pronto para estabelecer "relações amistosas" com os Estados Unidos se Washington pedisse desculpas pelos erros cometidos no passado.

    "Nosso slogan é relações amigáveis com o mundo inteiro", afirmou Rouhani.

    Isso incluiria até mesmo "a América, se se arrepender […] e se desculpar por suas interferências anteriores no Irã, e estiver preparada para aceitar a grandeza e a dignidade da nação do Irã e a grande Revolução Islâmica", acrescentou.

    "Ainda estamos prontos para aceitar o arrependimento dos Estados Unidos, apesar do fato de que por anos eles fizeram injustiça conosco", declarou a diplomatas estrangeiros em Teerã durante uma cerimônia para comemorar o 40º aniversário da Revolução Islâmica do Irã.

    Durante a crise dos reféns na embaixada dos Estados Unidos em Washington, em 1979, os estudantes iranianos exigiram notoriamente que os EUA se arrependessem em troca da libertação de diplomatas.

    No ano seguinte, os dois países cortaram laços diplomáticos e permaneceram distantes desde então.

    Em uma mensagem que marca o Ano Novo Persa em março de 2009, o então presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, declarou à República Islâmica: "sabemos que você é uma grande civilização e suas conquistas conquistaram o respeito dos Estados Unidos e do mundo". 

    O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, respondeu no dia seguinte dizendo "mudem e nossa atitude vai mudar".

    Em junho do mesmo ano, Obama se tornou o primeiro presidente dos EUA a reconhecer que os EUA desempenharam um papel no golpe de 1953 que derrubou o governo eleito do Irã — mas ele não chegou a pedir desculpas. Ele também insistiu que o Irã havia prejudicado os EUA, incluindo a crise dos reféns.

    O governo Obama foi uma das seis potências mundiais que assinaram um acordo de 2015 com o Irã, facilitando as sanções em troca de restrições ao programa nuclear de Teerã.

    Mas a detenção foi prejudicada pelo sucessor de Obama, Donald Trump, que em maio do ano passado retirou-se unilateralmente do acordo nuclear e re-impôs sanções.

    Na semana passada, Rouhani acusou os Estados Unidos de serem um "destruidor de juramentos", e seus oponentes linha-dura repetidamente criticaram o acordo de 2015.

    Mais:

    Confira ampla gama de avanços tecnológicos do Irã na indústria militar
    Comandante: 'Irã gasta US$ 7-8 bi em defesa contra inimigos que gastam US$ 100 bi'
    Irã não terá outra opção senão continuar com programa de mísseis, diz general iraniano
    Tags:
    acordo nuclear, sanções, relações bilaterais, diplomacia, Aiatolá Ali Khamenei, Barack Obama, Donald Trump, Hassan Rouhani, Irã, Estados Unidos
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar