15:50 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Pessoas seguram sinais durante um protesto na Embaixada da Arábia Saudita sobre o desaparecimento do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

    Arábia Saudita nega crise após assassinato de Khashoggi

    © AP Photo/ Jacquelyn Martin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2 0 0
    Nos siga no

    O novo ministro das Relações Exteriores da Arábia Saudita, Ibrahim Assaf, disse em entrevista à agência de notícias AFP que o país não está em crise em função do assassinato do jornalista saudita Jamal Khashoggi.

    "Não estamos passando por uma crise, mas por uma transformação", disse o ministro das Relações Exteriores.

    Ele acrescentou que o caso Khashoggi foi uma triste notícia para todos.

    Na quinta-feira, o rei saudita, Salman bin Abdulaziz, anunciou uma reforma do governo ao dispensar e substituir diversos altos funcionários.

    Uma dessas mudanças foi a nomeação de Ibrahim al Assaf para chefiar a diplomacia da Arábia Saudita, substituindo Adel al Jubeir.

    Foi noticiado na mídia que a substituição de Al Jubeir foi realizada para puni-lo por não proteger o príncipe Mohamed bin Salman das repercussões do escândalo em torno do caso Khashoggi.

    O jornalista saudita Jamal Khashoggi, conhecido por suas críticas ao príncipe herdeiro, foi visto vivo pela última vez em 2 de outubro, quando entrou no consulado de seu país em Istambul para solicitar alguns documentos.

    O jornal The Washington Post, com o qual Khashoggi colaborou como colunista, informou que o jornalista foi torturado, morto e desmembrado, quando autoridades sauditas ainda insistiam que ele havia deixado a sede diplomática.

    Em face da crescente pressão internacional, Riad admitiu pela primeira vez que Khashoggi perdeu a vida em "uma briga" dentro do consulado. Depois afirmou que ele foi vítima de "uma operação não autorizada". Finalmente, Riad admitiu se tratar de um crime premeditado, e a justiça saudita ordenou a prisão de suspeitos.

    A Arábia Saudita, apesar de tudo, alega que o assassinato não está relacionado à família real. No entanto, Washington Post revelou que a Agência Central de Inteligência (CIA) indica em um relatório que príncipe herdeiro seria o mandante do assassinato de Khashoggi.

    Mais:

    Dissidente saudita processa firma de Israel que teria ajudado Riad a espionar Khashoggi
    Chefe do Pentágono nega participação de príncipe saudita em assassinato de jornalista
    Assassinos ouviam música enquanto desmembravam jornalista saudita, revela ministro turco
    Trump chama Arábia Saudita de 'grande aliado' apesar do relatório da CIA
    CIA conclui que príncipe herdeiro saudita ordenou o assassinato de Khashoggi, diz mídia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar