09:28 18 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Nesta foto fornecida pelo canal de notícias marroquino 2M, uma equipe forense é vista na área onde duas mulheres escandinavas foram encontradas mortas, perto de Imlil nas montanhas do Alto Atlas, Marrocos

    Marroquinos demandam pena de morte para autores de decapitação brutal de duas escandinavas

    © AFP 2019 / 2M
    Oriente Médio e África
    URL curta
    8132

    Um marroquino organizou uma petição da Change.org, conclamando o Ministério da Justiça a condenar à morte os assassinos de Maren Ueland, de 28 anos, da Noruega, e Louisa Vesterager Jespersen, de 24 anos, da Dinamarca.

    “A pena de morte é, sem dúvida, a solução correta para este crime horrível. Por isso solicito a aplicação dos artigos 393, 399 do Código Penal marroquino”, afirma a petição.

    Ueland e Jespersen foram mortas perto de um caminho até o pico de Toubkal, um popular destino para caminhadas no Marrocos. Uma das vítimas foi decapitada, enquanto a outra sofreu ferimentos graves no pescoço. O caso está sendo investigado como um ato terrorista.

    Um vídeo da decapitação de uma das garotas foi publicado on-line, com um autor do crime bradando uma faca e gritando “É a vontade de Alá” e “Isso é vingança para nossos irmãos em Hajin, na Síria. Estas são as vossas cabeças, inimigas de Deus", referindo-se à fortaleza do Daesh (grupo terrorista autodenominado Estado Islâmico) na província de Deir ez-Zor capturada pelas forças apoiadas pelos EUA no início desta semana. Os serviços de inteligência dinamarqueses comprovaram a veracidade das imagens.

    O Artigo 393 do Código Penal marroquino estipula que “assassinato cometido com premeditação ou emboscada é um assassinato qualificado com pena de morte”, enquanto o Artigo 399 implica que qualquer crime envolvendo tortura ou atos de barbárie é punível com a morte.

    Embora o país do norte da África não tenha abolido a pena de morte, nenhuma execução ocorreu desde 1993. Na sexta-feira, a polícia marroquina prendeu mais nove pessoas em várias cidades do país, pouco depois de quatro suspeitos terem sido detidos na cidade de Marrakesh.

    O Departamento Central de Investigações Judiciais do país disse que a polícia descobriu dispositivos eletrônicos, rifles de caça não autorizados, facas e materiais que poderiam ser usados ​​para a fabricação de bombas.

    De acordo com as autoridades do país, os quatro suspeitos primeiramente presos pelo assassinato prometeram fidelidade ao Daesh em um vídeo que circula agora nas redes sociais. Embora a autenticidade do vídeo ainda não tenha sido confirmada, nenhum grupo assumiu a responsabilidade pelo assassinato.

    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar