03:08 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Soldados da artilharia do exército sírio na província de Idlib, no noroeste da Síria (foto de arquivo)

    Exército Sírio frustra ataque de militantes em Idlib

    © Sputnik / Iliya Pitalev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    190

    O Exército Árabe Sírio conseguiu evitar uma nova tentativa dos militantes extremistas de tomar suas posições perto da zona desmilitarizada na província de Idlib, destruindo vários túneis cavados pelos inimigos, segundo informou uma fonte militar à Sputnik nesta quarta-feira.

    "Hoje, esses terroristas tentaram infiltrar posições do exército na área de Muhradah. Essa tentativa foi frustrada e alguns terroristas acabaram feridos. Os terroristas cavam túneis com regularidades, já que são ratos. E onde eles vivem? Sob o solo. O exército descobriu esses túneis e explodiu todos", disse a fonte. 

    Ainda de acordo com o militar, na última segunda-feira, os militantes realizaram um ataque com mísseis improvisados contra uma estação termal perto da cidade de Muhradah. Segundo ele, os túneis que os terroristas vêm construindo se encontram sobretudo perto dos assentamentos de Kafr Zita e Morek.

    A zona desmilitarizada de Idlib foi estabelecida em 17 de setembro após um acordo entre os líderes da Rússia e da Turquia, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, como forma de contribuir para uma solução para a guerra civil na Síria, que já se arrasta desde 2011, com as forças leais ao presidente sírio, Bashar Assad, tendo que combater diversos grupos armados de oposição, incluindo organizações terroristas. 

    Mais:

    Rússia alega que cerca de 15.000 terroristas da Frente al-Nusra permanecem em Idlib
    Turquia evacua terroristas de Idlib para seu território, segundo mídia síria
    Alemanha: 'Zona de desescalada em Idlib da Síria é o primeiro passo para o cessar-fogo'
    Tags:
    terroristas, ataque, Exército Árabe Sírio, Bashar Assad, Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin, Morek, Kafr Zita, Muhradah, Idlib, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik