09:00 15 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Forças iraquianas passam no deserto no âmbito de operação de libertação de Mossul, Iraque, 20 de outubro de 2016

    Iraque é crucial para a estabilidade do Oriente Médio, diz chanceler iraquiano

    © AFP 2018 / AHMAD AL-RUBAYE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 60

    Um Estado iraquiano forte está entre os principais fatores de estabilidade no Oriente Médio, segundo afirmou o ministro das Relações Exteriores do Iraque, Mohamed Ali Alhakim, durante o fórum Mediterranean Dialogues, em Roma.

    "Então, não é uma boa ideia para nós sermos fracos. Um Iraque forte hoje é realmente um estabilizador na área […]. A estabilidade do Iraque é muito crucial. O Iraque é um país árabe central do lado leste", disse Alhakim.

    O ministro ainda enfatizou que seis países compartilham uma fronteira com o Iraque, mas eles têm relações diferentes com o país. Bagdá, no entanto, mantém boas relações com o Irã e a Turquia, acrescentou Alhakim. Os outros países que fazem fronteira com o Iraque são Síria, Arábia Saudita, Kuwait e Jordânia

    O Iraque é alvo constante de atividades de vários grupos terroristas. Em 2014, territórios extensos do país foram ocupados pelo Daesh, grupo terrorista banido do território russo.

    O exército iraquiano reagiu ao grupo e obteve êxito em 2017. Em dezembro do mesmo ano, o então primeiro-ministro iraquiano, Haider Abadi, declarou o fim da luta do país contra o Daesh e as tropas iraquianas restabeleceram o controle total sobre a fronteira síria do país.

    Mais:

    Cálculos mostram perdas impressionantes das forças dos EUA no Afeganistão e Iraque
    Blindado brasileiro Urutu é reanimado e modernizado no Iraque (FOTOS)
    Novas bombas para o 'tanque voador' Su-25 foram testadas no Iraque (FOTOS)
    Parlamento do Iraque elege novo presidente do país
    Tags:
    geopolítica, terrorismo, Daesh, Haider Abadi, Mohamed Ali Alhakim, Irã, Arábia Saudita, Jordânia, Síria, Turquia, Bagdá, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik