00:34 12 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Mulher iraniana segura bandeira nacional enquanto passa por um muro representando a Estátua da Liberdade na parede da antiga embaixada dos EUA em Teerã (foto de arquivo)

    EUA explicam planos de sancionar Irã: 'Espremê-los até que não sobre nada'

    © AFP 2018 / BEHROUZ MEHRI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13315

    Devido às tentativas do Irã de contornar as sanções contra comércio e setor bancário, os EUA intensificarão as restrições contra Teerã, informou a Reuters.

    Na terça-feira (13) em Singapura, o conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, John Bolton, disse que "o objetivo tem sido desde o princípio reduzir a zero as exportações de petróleo do Irã".

    "É nossa intenção espremê-los [iranianos] com muita força. Como dizem os britânicos: 'Espremê-los até que não sobre nada'", ressaltou.

    O Departamento do Tesouro dos EUA reintroduziu restrições econômicas contra o país árabe no dia 5 de novembro, além de incluir mais de 700 pessoas e empresas iranianas em uma "lista negra".

    Com a justificativa de "estabilidade e integridade do sistema financeiro global", o sistema intercambiário internacional SWIFT suspendeu seus serviços para vários bancos iranianos.

    Já a subsecretária do Tesouro, Sigal Mandelker, declarou na segunda-feira (12) que Washington aplicará rigorosamente o regime de sanções contra Teerã e que o Banco Central do Irã foi desligado do sistema SWIFT.

    A principal meta da "pressão econômica sem precedentes" norte-americana contra o país árabe é estabelecer "um acordo global que impeça permanentemente o Irã de adquirir uma arma nuclear e consiga a cessação do desenvolvimento dos mísseis balísticos do Irã".

    Mais:

    EUA condenam eleições em Donbass e prometem sanções
    3 razões por que Rússia provavelmente beneficia das sanções anti-iranianas
    Mídia indica como Moscou está tirando vantagem das sanções americanas contra Irã
    Iraniano pode enfrentar 5 anos de prisão por burlar sanções dos EUA
    Tags:
    exportações, restrições, comércio, setor bancário, petróleo, pressão, iranianos, sanções, Departamento do Tesouro dos EUA, John Bolton, Teerã, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik