08:23 22 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov

    Daesh quer transformar Afeganistão em seu posto avançado na Ásia Central, diz Lavrov

    © Sputnik / Grigory Sysoev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    240

    O grupo terrorista Daesh está tentando transformar o Afeganistão em seu posto avançado na Ásia Central, declarou chanceler russo Sergei Lavrov, discursando na abertura da conferência dedicada ao Afeganistão.

    No Afeganistão, há um confronto entre as forças do governo e o movimento radical Talibã. Os grupos terroristas conectados com o Daesh [grupo terrorista proibido na Rússia] também têm certa influência no país. Em todo o território do Afeganistão são realizadas operações em grande escala para combater os extremistas.

    "Os grupos terroristas avançados na forma do Daesh, não sem apoio de patrocinadores externos, estão tentando transformar o Afeganistão em uma cabeça de ponte da expansão na Ásia Central e, em geral, em nossa vasta região", disse Sergei Lavrov durante o discurso nas consultas no assim chamado formato de Moscou.

    De acordo com o ministro, a tarefa de todos os países e estruturas internacionais que operam na região é ajudar os afegãos a neutralizar os planos dos terroristas. E ninguém deveria pensar em termos de jogos geopolíticos, que podem transformar o Afeganistão em mais um campo de rivalidade entre outros jogadores, com terríveis consequências para os afegãos e seus vizinhos.

    As consultas no "formato de Moscou" começaram em 2017 com base no mecanismo de consulta dos representantes especiais da Rússia, Afeganistão, China, Paquistão, Irão e Índia. A rodada seguinte de consultas deveria ser realizada em setembro, mas foi adiada a pedido de Cabul.

    Mais:

    Reino Unido: Daesh no Afeganistão ameaça Europa
    Enviado russo: número de terroristas do Daesh no Afeganistão pode chegar a 10 mil
    Tags:
    ameaça terrorista, base, terroristas, Daesh, Sergei Lavrov, Ásia Central, Afeganistão, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik