00:17 17 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Sapadores russos em Palmira (foto de arquivo)

    Sozinho contra morte: sapador russo conta como foi desminar a Síria

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4120

    O destacamento do capitão Pyotr Vernikov percorreu no total 25 km de estradas sírias, onde cada metro podia custar-lhes a vida. O sapador participou do desarme de 43 bombas artesanais, sendo 23 delas desarmadas por ele pessoalmente.

    A história da operação do destacamento de Vernikov na cidade síria de Palmira e seus arredores foi publicada pela edição Krasnaya Zvezda.

    A Força Aeroespacial russa e o exército sírio tiveram que libertar a cidade por duas vezes, em 2016 e 2017. O capitão participou das duas missões, tendo como objetivo limpar a cidade de artefatos explosivos e levar a cabo inspeções de engenharia. Os sapadores inspecionaram atentamente as estradas, prédios e áreas agrícolas.

    Não obstante a ideia generalizada que os terroristas instalam minas somente debaixo do solo ou na grama, na verdade estas podem aparecer em qualquer lugar. Por exemplo, dentro de uma cobertura de asfalto que parece monolítica à primeira vista. Para os terroristas basta um pequeno buraco ou poça para instalar lá dentro um artefato explosivo.

    Contudo, os especialistas do destacamento de Vernikov detectavam essas armadilhar logo à primeira vez por terem uma enorme experiência. Os sapadores conhecem vários indícios que podem indicar perigo como, por exemplo, a alteração de cor na estrada, vestígios de solo fresco ou um conjunto de pedras.

    Pyotr Vernikov contou que por várias vezes seu destacamento entrou em povoados que tinham acabado de ser libertados, onde os militares deveriam se mostrar especialmente atentos e cuidadosos.

    "Tínhamos de trabalhar com cuidado extremo e máxima concentração, já que cada um dos nossos especialistas entendia que de suas ações dependia a preservação de valores culturais com uma importância mundial", explicou.

    Segundo o sapador, às vezes eles encontravam artefatos explosivos que nem eram similares aos demonstrados durante os treinamentos.

    "Os terroristas conseguiam instalar objetos mortíferos em lugares bem inesperados, disfarçando-os em coisas inofensivas, como brinquedos, utensílios caseiros e eletrodomésticos", contou.

    O destacamento de Vernikov teve que lidar com tais armadilhas mortais em 14 povoados, completando sua missão com sucesso.

    Ao todo, ao longo dos três anos da operação russa na Síria os sapadores russos limparam de minas 6,5 mil hectares de território, 1,5 mil km de estradas e 19 mil prédios e construções.

    Mais:

    Revelado alcance dos sistemas S-300 que Rússia forneceu à Síria
    Rússia está 'blindando' espaço aéreo da Síria
    Rússia envia forte sinal para EUA e OTAN ao implantar S-300 na Síria, acredita politólogo
    Tags:
    minas, sapadores, Palmira, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik