08:20 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira da Venezuela

    Venezuela busca estreitar cooperação comercial com Síria

    © REUTERS / Juan Medina
    Oriente Médio e África
    URL curta
    380

    Empresas venezuelanas procuram aumentar a sua presença na Síria, disse à Sputnik nesta quarta-feira o embaixador da Venezuela na república arabe, Imad Saab, presente na feira Rebuild Syria (Reconstrua Síria), realizada em Damasco.

    "Fizemos algum progresso, temos mantido reuniões, encontros, que têm canalizado alguns tipos de empresas, principalmente entre os empresários do setor privado de ambos os países, (…) todo comércio ou investimento realizado entre empresas públicas ou privadas dos dois países é benéfico, porque aumenta o intercâmbio comercial e econômico", disse o diplomata.

    O embaixador afirmou que a presença de empresas de seu país em eventos dedicados à reconstrução da infra-estrutura síria "é um sinal de solidariedade com o povo e o governo".

    O diplomata destacou que seu país tem "empresas que querem vender e investir em produtos comerciais para exportar da Venezuela para a Síria".

    Segundo Saab, as empresas venezuelanas tem particular interesse no setor de petróleo e em projetos de infraestrutura.

    O embaixador confirmou que "o governo sírio tem estado aberto até agora e ofereceu as mesmas condições que para o resto dos países".

    "Temos uma visão, a visão bolivariana do presidente [Hugo] Chávez. Temos tido uma relação de complementaridade [com os países na região], não competição. Essas relações se complementam com os países aliados buscando negócios de ganho mútuo, e não uma relação de vencedor e explorado, como tem sido [a relação da] Venezuela com os EUA ", concluiu o embaixador.

    Mais:

    ONU estuda denúncia de proibição secreta para reconstrução da Síria
    Experiência da reconstrução soviética após II Guerra Mundial pode ser usada na Síria
    China está pronta para se tornar força motriz na reconstrução da Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik