19:29 18 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    OPEP quer reduzir produção de petróleo

    Sob sanções, Irã se diz satisfeito com novo acordo da OPEP

    Ryad Karamdi/AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4130

    O Irã declarou que está satisfeito com a cooperação atingida entre os Estados participantes no acordo de corte na produção de petróleo, ratificado entre a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) e alguns participantes externos, afirmou neste domingo (23) o representante do Irã na OPEP, Hossein Kazempour Ardebili.

    "Estamos satisfeitos com a cooperação com a OPEP e alguns produtores externos. Claro que somos grandes produtores e devemos permanecer lá [no acordo]", disse ele a repórteres depois de participar da reunião do Comitê Ministerial Conjunto de Monitoramento (JMMC, na sigla em inglês) da OPEP, realizada em Argel, capital da Argélia.

    A afirmação veio em resposta a questionamentos sobre a disponibilidade do Irã em permanecer no acordo de Viena.

    Ele ainda acrescentou que após o fim do acordo entre a OPEP e outros países não membros terminasse em 2018, que o país espera chegar a um novo acordo em formato semelhante.

    O representante do Irã na OPEP enfatizou que o país continuará a exportar petróleo, apesar das tentativas EUA de dificultar o comércio iraniano com outros países, ao impor novamente sanções econômicas contra o Irã.

    Em maio, os EUA reintroduziram sanções sobre o Irã depois que Washington retirou-se do Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), o acordo nuclear iraniano.

    Mais:

    Guarda Revolucionária do Irã promete vingança 'mortal' contra terroristas, diz imprensa
    Irã convoca embaixadores da Holanda, Dinamarca e Reino Unido após ataque terrorista
    Terroristas atacam desfile militar no sul do Irã, há vítimas (FOTOS, VÍDEOS)
    Ataque terrorista no Irã tem ligação com EUA e Israel, diz porta-voz do Exército iraniano
    Tags:
    Plano Conjunto de Ação Integral (JCPOA), JCPOA, OPEP, Hossein Kazempour Ardebili, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik