06:14 17 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente turco Recep Tayyip Erdogan durante discurso

    Erdogan indica ameaça principal para Síria

    © AFP 2018 / ADEM ALTAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7113

    A ameaça principal para o futuro da Síria vem das áreas a leste do rio Eufrates controladas pelas forças de autodefesa dos curdos sírios, declarou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, dizendo que esses territórios são "um pantanal terrorista" que se expande devido ao apoio de aliados de Ancara, se referindo aos EUA.

    Ancara acusou retiradamente Washington de fornecer armas às forças de autodefesa dos curdos sírios, consideradas por Ancara como organização terrorista ligada ao Partido dos Trabalhadores de Curdistão (proibido na Turquia).

    "Atualmente, o problema principal para o futuro da Síria é o pantanal terrorista que está se alargando a leste do rio Eufrates sob a égide de alguns dos nossos aliados", declarou o presidente turco durante uma coletiva de imprensa antes de sua viagem a Nova York, onde participará da Assembleia Geral das Nações Unidas.

    Segundo ele, a Turquia foi o país que sofreu os maiores danos causados pela guerra civil na Síria. Erdogan informou também que no seu discurso perante a Assembleia Geral ele vai falar das crises humanitárias em diferentes regiões do nosso planeta e apelar à solução desses problemas.

    As relações turco-americanas se agravaram por causa de vários fatores, entre eles a compra dos sistemas russos S-400 por Ancara, a prisão do pastor norte-americano Andrew Brunson, suspeito de ter estado envolvido no golpe de Estado fracassado em 2016 na Turquia, bem como o aumento das tarifas alfandegárias sobre o alumínio e aço turcos, o que resultou no colapso da moeda nacional da Turquia, a lira.

    Mais:

    'Presença russa na Síria é um desafio', diz chefe da inteligência aérea de Israel
    Mais de 100 pessoas retornam para a Síria do Líbano
    Tags:
    engenharia civil, guerra, Recep Tayyip Erdogan, Síria, EUA, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik