05:31 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Presidente russo Vladimir Putin durante encontro com seu homólogo turco Recep Tayyip Erdogan em Sochi, 17 de setembro e 2018

    Mídia sobre acordo russo-turco: regresso da Rússia como grande potência era inevitável

    © Sputnik / Mikhail Klimentiev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16501

    A criação da zona desmilitarizada na província síria de Idlib, último reduto dos radicais armados no país árabe, mostra o sucesso que a Rússia alcançou na Síria, diz um artigo do jornal Independent.

    O autor da matéria, Patrick Cockburn, sublinha que "na realidade a Rússia sempre foi mais forte do que parecia", pois mesmo depois do colapso da União Soviética o país permaneceu uma nação nuclear, "capaz de destruir o mundo".

    "O regresso da Rússia como uma grande potência sempre foi inevitável, mas foi acelerado pelo oportunismo bem-sucedido e erros crassos dos países adversários", acredita o colunista.

    Segundo o autor, o acordo assinado entre a Rússia e a Turquia sobre o futuro de Idlib "demonstra até que ponto avançou a Rússia na Síria".

    O jornalista frisa que Vladimir Putin é capaz de firmar um acordo com a segunda maior potência militar da OTAN, a Turquia, sem qualquer referência aos Estados Unidos ou a outros membros da Aliança.

    Cockburn acha que o documento assinado dá à Turquia uma relativa liberdade para ampliar sua presença militar no norte da Síria, mas Ancara poderá fazer isso apenas com a aprovação de Moscou.

    Na segunda-feira passada (17), os presidente russo e turco, Vladimir Putin e Recep Tayyip Erdogan, tiveram um encontro na cidade russa de Sochi, onde acordaram criar até 15 de outubro uma zona desmilitarizada ao longo da linha de contato entre a oposição armada e as forças governamentais sírias na província de Idlib, enquanto os ministros da Defesa dos dois países assinaram um memorando sobre a estabilização da situação na zona de desescalada de Idlib. Entre 19 e 21 de setembro, os militares russos e turcos se encontraram em Ancara e definiram as fronteiras da futura zona desmilitarizada.

    Mais:

    Depois do abate do Il-20: Israel terá que provar que dá valor às vidas dos russos
    Suposto vídeo de ataque químico fabricado em Idlib é divulgado por imprensa síria
    Tags:
    zona de desescalada, zona desmilitarizada, OTAN, Recep Tayyip Erdogan, Vladimir Putin, Idlib, Síria, Turquia, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik