03:04 21 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Tropas iranianas marham durante parada militar

    Líder da segurança iraniana: Teerã responderá a qualquer ação hostil em décuplo

    © AFP 2018 / BEHROUZ MEHRI
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5150

    O líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, declarou um dia atrás que a força militar iraniana deve ser aumentada para "assustar o inimigo", em seguimento a anúncios de planos de reforço militar por parte de altos responsáveis oficiais da República Islâmica.

    "A época de ataca-e-foge acabou no mundo e quaisquer medidas hostis contra o nosso país serão respondidas por Teerã em décuplo. Nós somos capazes de nos defender em cada área", disse na segunda-feira (10) o almirante Ali Shamkhani, secretário do Supremo Conselho Nacional de Segurança do Irã, de acordo com a agência Tasnim.

    A declaração faz eco a proclamações recentes de altos responsáveis iranianos, inclusive do líder supremo aiatolá Ali Khamenei, que confirma que Teerã tem intenção de aumentar seu poderio militar.

    Os comentários vêm em meio à deterioração das relações entre o Irã e os EUA. A tensão tem escalado desde o anúncio de Washington sobre a denúncia do Acordo nuclear iraniano em março. A 6 de agosto, os EUA reinstituíram as medidas punitivas contra Teerã, limitando o comércio de ouro e metais preciosos, vendas de alumínio, aço, carvão e certos tipos de software, proibindo também a compra de dólares americanos pelo governo iraniano, bem como a compra da dívida pública e riais iranianos.

    Mais:

    Ex-ministro da Defesa diz que o Irã tem mísseis mais precisos do que o russo S-300
    Estudo descarta vínculos entre Irã e Al-Qaeda no planejamento de ataques terroristas
    Manifestantes no Iraque incendeiam consulado do Irã e fazem reféns
    Mídia: Israel armou rebeldes no sul da Síria durante anos para conter Irã
    Tags:
    resposta, aumento, força militar, Conselho Supremo de Segurança Nacional do Irã, Aiatolá Ali Khamenei, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik