22:16 18 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Centro militar de pesquisa, na cidade síria de Barzeh, atingido por um míssil lançado durante o ataque dos EUA, Reino Unido e França em 13 de abril

    Estado-Maior francês ameaça com golpe contra Síria em caso de ataque químico

    © Sputnik / Yazan Kalash
    Oriente Médio e África
    URL curta
    1329

    O exército francês está pronto para efetuar mais um ataque contra o território da Síria em caso de uso de armas químicas na província de Idlib, afirmou nesta quinta-feira (6), o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da França, François Lecointre.

    "Estamos prontos a atacar se as armas químicas forem utilizadas novamente", assinalou Lecointre, citado pela agência Reuters.

    O militar acrescentou que a França poderia lançar esta represália sozinha, embora prefira agir junto com seus aliados.

    "Poderia ser a nível nacional, mas estamos interessados em fazê-lo com o maior número possível de parceiros", assegurou o militar.

    François Lecointre disse estar esperando também que o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países) seja completamente destruído até o final do ano. 

    No momento, a província de Idlib praticamente não é controlada pelas forças governamentais da Síria. Na zona se encontram combatentes da oposição armada. Além disso, de acordo com informações de Moscou e Damasco, vários grupos terroristas que estão operando na zona efetuam frequentes ataques contra as posições do exército sírio. 

    Nos últimos dias, a situação em torno da província tem se agravado. O representante oficial do Ministério da Defesa russo, Igor Konashenkov, afirmou recentemente que, segundo várias fontes independentes, terroristas do grupo Frente al-Nusra (proibido na Rússia e em vários outros países) estariam preparando uma provocação com a utilização das armas químicas na província de Idlib a fim de usá-la para acusar Damasco de ações contra civis.  

    Em abril de 2018, os EUA, o Reino Unido e a França coordenaram um ataque aéreo maciço contra a Síria, depois que a controversa ONG Capacetes Brancos alegou o uso de armas químicas na cidade de Douma. Os Capacetes Brancos foram repetidamente flagrados encenando ataques de bandeira falsa. 

    Mais:

    Especialista comenta suposto ataque de Israel contra Síria
    Analista: cooperação entre Rússia e Turquia na questão síria irrita EUA
    Frente al-Nusra tem condições de produzir gás de cloro na Síria
    Tags:
    armas químicas, ataque, Estado-Maior, François Lecointre, França, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik