00:22 17 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Fragata russa Admiral Grigorovich no estreito do Bósforo rumo ao mar Mediterrâneo, 7 de abril 2017

    Moscou concentra maior grupo naval no Mediterrâneo desde início da operação na Síria

    © REUTERS / Yoruk Isik
    Oriente Médio e África
    URL curta
    26540

    O Ministério da Defesa russo ampliou o grupo naval do país no mar Mediterrâneo, tornando este o mais poderoso desde o início de sua operação na Síria.

    O atual grupo naval compreende dez navios (e mais uns estão chegando) a maioria dos quais estão equipados com mísseis de cruzeiro Kalibr, bem como dois submarinos.

    Segundo relatou o ministério ao jornal russo Izvestiya, no momento no mar Mediterrâneo estão presentes navios da Frota do Norte, da Frota do Báltico, da Frota do Mar Negro e da Flotilha do Cáspio. Em outras palavras, todas as frotas russas com exceção da Frota do Pacífico estão presentes na região, sendo este grupo naval o mais poderoso desde o início da operação russa na Síria, sublinha um artigo jornal Vzglyad.

    O grupo é constituído, nomeadamente, pelo cruzador de mísseis Marshal Ustinov, pelo navio antissubmarino Severomorsk, o navio-patrulha Pytlivy, a fragata Admiral Gregorovich, os navios-patrulha Admiral Essen e Admiral Makarov, os navios ligeiros de mísseis Grad Sviyazhsk, Veliky Ustyug e Vysny Volochek, e dois submarinos, B-268 Veliky Novgorod e B-271 Kolpino.

    O cruzador Marshal Ustinov está equipado com o sistema de mísseis antinavio Vulkan, enquanto oito navios possuem mísseis de cruzeiro Kalibr.

    Segundo sublinhou o porta-voz do parlamento sírio, Naji Gabid, a presença de navios russos na Síria corresponde à lei internacional, sendo autorizada pelo governo da Síria.

    Mais:

    Macron: França está pronta para atacar Síria se armas químicas forem usadas
    Analista afirma que ataque estadunidense contra a Síria não é inevitável
    Tags:
    navio-patrulha, fragata, mísseis, submarinos, navios, grupo naval, Kalibr, Marinha da Rússia, EUA, Síria, mar Mediterrâneo, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik