15:54 14 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Abu Bakr al-Baghdadi, líder do Daesh

    Ele está vivo: líder do Daesh reaparece e pede novos atos terroristas aos seguidores

    © AP Photo / Militant video, File
    Oriente Médio e África
    URL curta
    606
    Nos siga no

    O líder do grupo terrorista Daesh, Abu Bakr al-Baghdadi, em seu primeiro discurso em quase um ano, pediu aos seguidores que continuem lutando apesar das recentes derrotas, de acordo com uma gravação de áudio publicada na mídia pela organização.

    No comunicado de 55 minutos, Baghdadi parabenizou o que descreveu como os "leões marcantes" por trás de recentes ataques no Canadá e na Europa e pediu aos seguidores que usem bombas, facas ou carros para realizar ataques.

    Baghdadi também ofereceu saudações aos muçulmanos pelo Eid al-Adha, uma festa que é celebrada nesta semana, sugerindo que a mensagem foi gravada recentemente.

    "Para os Mujahideen [guerreiros sagrados], a escala de vitória ou derrota não depende de uma cidade ou cidade ser roubada ou sujeita àquela que tem superioridade aérea, mísseis intercontinentais ou bombas inteligentes", afirmou Baghdadi em uma gravação em árabe postada por seu grupo de mídia al-Furqan.

    "Oh, os soldados do califado […] confiem na promessa de Deus e na Sua vitória […] pois com dificuldades vem o alívio e a saída", acrescentou ele, dirigindo-se a seguidores em várias cidades da Síria.

    Segundo a Agência Reuters, não foi possível verificar se a voz na gravação era mesmo de Baghdadi.

    O Daesh, que até o ano passado controlava grandes áreas na Síria e no Iraque, foi levado ao deserto por sucessivas derrotas em ofensivas de aliados internacionais nos dois países.

    Baghdadi, que se declarou governante de todos os muçulmanos em 2014 depois de capturar a principal cidade do norte do Iraque, Mossul, poderia estar escondido na região da fronteira síria-iraquiana depois de perder todas as cidades e municípios de seu autoproclamado califado.

    O Daesh assumiu a responsabilidade por ataques em todo o mundo, incluindo um tiroteio em 22 de julho em Toronto, que deixou duas pessoas mortas e 13 feridas. A polícia canadense disse que eles não tinham provas até agora para apoiar a alegação.

    Baghdadi também pediu aos seguidores iraquianos que mantenham ataques contra muçulmanos xiitas e o que ele descreveu como apóstatas — uma referência aos muçulmanos sunitas que lutam contra seu grupo.

    Ele pediu aos seguidores que permaneçam leais aos líderes de seu movimento e conclamou os cidadãos da Arábia Saudita, Bahrein e Jordânia a derrubarem seus governantes.

    O secreto líder do Daesh tem sido frequentemente denunciado como morto ou ferido desde que liderou seus combatentes em uma varredura pelo norte do Iraque. Seu paradeiro não é conhecido, mas a mensagem de quarta-feira sugere que ele ainda está vivo.

    Um de seus filhos foi morto na cidade de Homs, na Síria, informou o canal de notícias do grupo no início deste ano.

    Baghdadi também alertou que a província de Idlib, na Síria, estava prestes a cair enquanto as forças do governo da Rússia e da Síria se preparavam para invadir o país. A província de Idlib está no último território ainda ocupado por rebeldes que se opõem ao governo do presidente Bashar Assad.

    Em junho, o coordenador humanitário regional das Nações Unidas alertou que o Daesh e outros grupos militantes estavam misturados com a população de Idlib, tornando-se uma situação "altamente explosiva".

    Mais:

    Bem no alvo: atirador de elite supostamente mata líder do Daesh no Afeganistão
    Por que EUA 'fecham os olhos perante atividades terroristas' do Daesh?
    'Objetivo é bater Israel de frente com Rússia', diz analista sobre provocação do Daesh
    Tags:
    califado, sunitas, xiitas, muçulmanos, terrorismo, Daesh, Abu Bakr al-Baghdadi, Idlib, Homs, Mossul, Iraque, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar