14:09 14 Novembro 2018
Ouvir Rádio
    Um manifestante anônimo agitando bandeiras iranianas em Los Angeles, EUA (foto de arquivo)

    Teerã acusa Washington de usar embaixadas para espionar

    © AP Photo/ Jae C. Hong
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 20

    EUA usam embaixadas para espionagem e atividades destrutivas. Eis o que declarou o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Qassemi.

    "Pompeo faz acusações infundadas através de várias testemunhas publicadas em uma série de fontes que apontam participação de embaixadas dos EUA, onde trabalham diplomaticamente acobertadas centenas de militares e funcionários de órgãos de segurança, na espionagem e em passos destrutivos", afirmou Qassemi, cuja declaração foi publicada no site do ministério.

    O porta-voz ainda disse que na história contemporânea são registrados casos de espionagem por embaixadas estadunidenses através da intervenção nos assuntos internos dos países de estadia e do arruinamento das relações destes países com outros Estados.

    Anteriormente, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, acusou o Irã do uso das suas embaixadas em outros países para organizar ataques terroristas e apelou a todos os países que investiguem os diplomatas iranianos.

    Pompeo afirmou que os iranianos na Europa foram detidos por estarem preparando ataque terrorista em Paris, estando um diplomata iraniano alegadamente envolvido na conspiração do ataque contra uma manifestação de um grupo de oposição iraniano na França em 30 de junho. Também adicionou que os EUA exigem que os países tomem as decisões necessárias em relação à segurança e sejam vigilantes.

    Mais:

    Exportações de petróleo iraniano podem diminuir em 500 mil barris/dia com sanções nos EUA
    Vice-presidente: Irã vai vender tanto petróleo quanto puder, apesar de sanções dos EUA
    Novas sanções dos EUA contra Irã: ineficazes e até contraproducentes
    Tags:
    destruição, espionagem, embaixada, Mike Pompeo, Bahram Qassemi, EUA, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik