02:03 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    nesta foto de 21 de maio de 2016, um grupo de soldados da Costa do Marfim patrulham uma area abandonada em 2011, na fronteira do país com a Libéria, assolada então por uma guerra civil

    'Mais guerra, mais dinheiro': Ocidente não quer a paz na África, diz líder mercenário

    © REUTERS / Luc Gnago
    Oriente Médio e África
    URL curta
    628

    As potências ocidentais estão interessadas em prolongar os conflitos na África à medida que anseiam pelos recursos do continente, garantiu um fundador de empresas militares privadas. A maioria das forças africanas está "preparada para fracassar" por assessores estrangeiros, acrescentou.

    As nações ocidentais veem as prolongadas guerras e caos africanos como apenas um meio de se apossar dos ricos recursos africanos, disse à RT Eeben Barlow, fundador da Executive Outcomes, empresa sul-africana que deu início a um boom privado de soldados, à revista Sophie Shevardnadze.

    "Enquanto houver conflito em movimento, certos acordos podem ser fechados com os governos", o que permite que as potências estrangeiras "consigam esses recursos para uso próprio", acrescentou.

    Barlow continuou dizendo que as potências estrangeiras e, particularmente as ocidentais, muitas vezes optam por apoiar grupos armados ou várias forças que realmente desestabilizam a situação na região, já que "os rebeldes não precisam tributar quem quer que tenha recursos dentro das áreas".

    Os grupos governamentais também são usados avidamente como um meio de "substituir um certo governo que não está suficientemente em conformidade com os desejos daqueles que estão fora dirigindo essas ações".

    Quanto aos conselheiros estrangeiros para as forças governamentais, a qualidade do treinamento e do aconselhamento que eles fornecem às autoridades africanas é geralmente "pobre", reclamou o ex-tenente-coronel da Força de Defesa Sul-Africana.

    "A maioria dos exércitos africanos está sendo preparada para fracassar por […] forças armadas estrangeiras ou assessores estrangeiros que eles fazem uso", declarou ele ao programa da SophieCo.

    As empresas militares privadas estrangeiras (PMCs) geralmente apenas "estão aí para ver quanto tempo eles podem realmente prolongar um conflito ou uma guerra, porque quanto mais tempo se passa, mais dinheiro eles ganham para si mesmos", garantiu Barlow, acrescentando que "acredita" que muitas "forças estrangeiras na África não estão aqui para resolver problemas, mas para garantir que os problemas continuem".

    Quando os governos africanos tentam usar as forças locais, incluindo os PMCs africanos, para ajudá-los a lidar com conflitos, grupos terroristas ou insurgências, "eles estão continuamente ameaçados de que […] será para a sua desvantagem".

    "Essas são ameaças que vêm de fora da África. E é realmente apenas uma prova para nós que uma África estável e segura parece ser de poucos interesses para as pessoas", concluiu Barlow.

    Mais:

    África pode abandonar o dólar a favor do yuan?
    África é o 'caminho para a liderança mundial da China'
    Tags:
    mercenários, violência, diplomacia, guerra, Sophie Shevardnadze, Executive Outcomes, Eeben Barlow, África do Sul, África
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik