13:46 20 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Ex-ministro de Energia de Israel, Gonen Segev (ao centro), em um tribunal em 2004

    Traição: Israel prende ex-ministro acusado de espionar para o Irã

    © AFP 2018 / YARIV KATZ
    Oriente Médio e África
    URL curta
    687

    Os serviços secretos do Shin Bet e da polícia israelense prenderam o ex-ministro israelense e ex-tenente Gonen Segev em maio por terem espionado em nome do Irã, informaram as autoridades israelenses nesta segunda-feira.

    Aos 62 anos e nascido em Israel, Segev estudou medicina na Universidade Ben-Gurion e deixou o Exército como piloto de aeronaves com o posto de capitão.

    As autoridades israelenses, que apenas autorizaram a publicação de alguns fatos sobre este caso, suspeitam que Segev "ajudou o inimigo [Irã] em tempo de guerra e espionou o Estado de Israel".

    O advogado do distrito de Jerusalém apresentou em 15 de junho de 2018 uma queixa criminal contra Segev pelas razões mencionadas, bem como por "numerosas acusações em relação a passar informações ao inimigo". A acusação foi aprovada pelo procurador-geral, Avichai Mandelblit, e pelo advogado do Estado, Shai Nitzan.

    De acordo com as autoridades israelenses, Segev, que viveu na Nigéria nos últimos anos, foi para a Guiné Equatorial em maio de 2018, onde foi preso e enviado a Israel a pedido da polícia israelense. Assim que pôs os pés em Israel, foi preso pela polícia porque havia informações ligando Segev a "elementos da inteligência iraniana", diz o processo.

    Processo

    Durante a investigação, soube-se que Segev foi recrutado e atuava como agente de inteligência iraniano. O contato inicial ocorreu em 2012, quando Segev já morava na Nigéria, e ele começou a se reunir com membros da embaixada iraniana naquele país.

    O ex-ministro israelense visitou o Irã em duas ocasiões para se reunir com pessoas que administravam seu relacionamento com o país persa, sabendo que eles eram agentes da inteligência iraniana.

    Segev também se encontrou com agentes iranianos em vários apartamentos e hotéis ao redor do mundo, e recebeu uma equipe secreta de comunicações para codificar e enviar mensagens. De acordo com os dados publicados pelas autoridades israelenses, Segev transferiu para os iranianos informações sobre energia, economia, locais e pessoal de segurança e edifícios diplomáticos.

    Para realizar as missões que lhe foram confiadas pelos iranianos, Segev manteve contatos com cidadãos israelenses nas áreas de relações exteriores e segurança. Ele colocou certos israelenses em contato com agentes de inteligência iranianos, apresentando-os como "empresários inocentes".

    Esta informação foi publicada neste domingo com a permissão das autoridades israelitas; O resto da informação é apreendido por um tribunal israelense.

    Histórico

    Gonen Segev entrou na política nas mãos do partido Tzomet, um partido de extrema-direita, e foi ministro sob a batuta de Yitzhak Rabin como Ministro da Energia em 1994.

    Em 2005, ele foi preso por tentar introduzir 32.000 doses de ecstasy em Israel da Holanda. Depois de ser condenado, ele foi libertado da prisão em 2007 depois de cumprir dois dos cinco anos em que foi condenado.

    Sua licença médica foi cancelada em Israel e ele emigrou para a Nigéria, onde trabalhou como médico, até 2016, quando solicitou permissão para trabalhar em Israel.

    Os advogados de Seguev, Eli Zohar e Moshe Mazor, confirmaram a acusação de seu cliente, embora eles indicaram que dos documentos trazidos perante o tribunal "uma fotografia diferente" sai para os dados que eram conhecidos hoje.

    Mais:

    Torcedor incomum: Pelo Twitter, Israel deseja boa sorte para inimigo Irã na Copa do Mundo
    Grupo de palestinos planeja lançar 5 mil pipas incendiárias de Gaza contra Israel
    ONU condena Israel por 'uso excessivo de força' na fronteira de Gaza
    Tags:
    traição, corrupção, política, espionagem, Tzomet, Yitzhak Rabin, Shai Nitzan, Avichai Mandelblit, Gonen Segev, Guiné Equatorial, Jerusalém, Nigéria, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik