00:21 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Manifestante palestino ao lado da cerca israelense durante um protesto na fronteira entre Israel e Gaza, no sul da Faixa de Gaza, em 5 de junho de 2018

    Líder de partido espanhol chama Israel de 'Estado ilegal' por praticar 'apartheid'

    © REUTERS / Ibraheem Abu Mustafa
    Oriente Médio e África
    URL curta
    776

    Israel foi classificado como "Estado ilegal" por Iglesias Turrión, líder do terceiro maior partido da Espanha, o Podemos, por conduzir massacre do tipo apartheid perto de Gaza, na fronteira com a Palestina.

    "Precisamos agir com mais firmeza sobre um país ilegal como Israel", disse Turrión ao canal espanhol RTVE. Acusando o país de violar o direito internacional e recorrer ao que chamou de políticas do tipo apartheid, o líder do partido de esquerda questionou a legitimidade do Estado israelense.

    "As ações de Israel são ilegais. As políticas de apartheid do Estado de Israel são ilegais", afirmou o político, acrescentando que, quando se trata de política internacional, ele e seu partido continuam "defendendo os direitos internacionais".

    Os comentários de Turrión vieram poucos dias após uma parte do partido Podemos, na cidade de Valência, condenar os assassinatos ilegais de Israel e declarar que a terceira maior cidade espanhola seria uma "zona livre de apartheid israelense".

    A condenação de Valência pelas atrocidades desproporcionais contra palestinos e a decisão de abster-se de qualquer contato com Tel Aviv foi apoiada por outras cidades espanholas, incluindo Madri, Barcelona e Andaluzia, que decidiram se distanciar de Israel em uma expressão de solidariedade ao "boicote a Israel".

    A insistência do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, de que nenhum palestino foi morto "intencionalmente" e que "pessoas morreram acidentalmente" revelou uma incoerente perturbação com uma declaração anterior das Forças de Defesa de Israel (IDF).

    A opressão de Tel Aviv aos palestinos, juntamente com a controversa decisão dos EUA de transferir sua embaixada para a cidade disputada de Jerusalém, foi abertamente condenada pela União Europeia. Sem ver melhor solução para deter o derramamento de sangue na fronteira de Gaza, a União Europeia insiste na solução entre os dois países com Jerusalém como a capital do "Estado de Israel e do Estado da Palestina".

    Mais:

    'Cabeça' encontrada em Israel poderia representar rei bíblico (VÍDEO)
    Argentina cancela amistoso com Israel após pressão da comunidade internacional
    Crianças palestinas fazem manifesto para que Messi não jogue amistoso contra Israel
    Líbano mostra disposição para negociar demarcação de fronteira com Israel
    Tags:
    boicote, Estado, apartheid, espanhol, partidos políticos, ilegal, Forças de Defesa de Israel (FDI), Benjamin Netanyahu, Espanha, Valência, Palestina, Tel Aviv, Jerusalem, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik