16:31 16 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Membros do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica iraniano (foto de arquivo)

    UE falha ao tomar decisão independente dos EUA, diz chefe da Guarda Revolucionária do Irã

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)
    690

    O chefe do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica afirma que a retirada de Washington do programa nuclear iraniano foi somente um pretexto para conter o programa de mísseis e influência regional de Teerã.

    O major-general Mohammad Ali Jafari, comandante do Exército dos Guardiães da Revolução Islâmica, acusou os europeus de ficarem do lado dos EUA e questionou a capacidade europeia de salvar o acordo nuclear do Irã, também conhecido como Plano de Ação Conjunto Global (JCPOA, na sigla em inglês).

    "É claro que os europeus não podem tomar uma decisão independente entre o Irã e os Estados Unidos e estão amarrados aos Estados Unidos. O destino do acordo iraniano está claro", disse Jafari, citado pela agência de notícias Farsnews.

    Ele também sugeriu que Washington abandonou o JCPOA, indicando a questão do enriquecimento de urânio do Irã como nada mais nada menos do que desculpa para conter programa de mísseis e influência regional de Teerã.

    Ao anunciar sua decisão de retirar-se do acordo nuclear iraniano, Trump chamou a resolução de "um acordo horrível e unilateral que nunca deveria ter sido feito", e sugeriu que é "defeituoso em sua essência".

    O Departamento do Tesouro dos EUA afirmou, em comunicado logo após o anúncio de Trump, que as sanções dos EUA contra o Irã entrariam em vigor a partir de novembro.

    "Mais uma vez isso está completamente claro e tem sido provado que os americanos são intimidantes. Os americanos não são confiáveis em nenhum tipo de negociação ou acordo", observou Jafari, acrescentando que o Irã tem muita experiência no desenvolvimento do país sujeito a sanções.

    Seguindo o anúncio do presidente americano, todos os outros membros do grupo P5+1, incluindo França, Alemanha e Grã-Bretanha, expressaram preocupações sobre a decisão. De acordo com um comunicado conjunto emitido por Paris, Londres e Berlim, "o regime de não proliferação nuclear está em jogo".

    O ministro das Relações Exteriores da França, Jean-Yves Le Drian, declarou que "este acordo [do JCPOA] não está morto" e que o presidente Emmanuel Macron falará em breve com seu colega iraniano, Hassan Rouhani.

    Ele foi alertado sobre um "risco real de confronto" após a decisão de Washington, mas manifestou esperanças de que a medida dos EUA não seria "um obstáculo para a paz".

    Outro assinante do acordo nuclear iraniano, a Rússia, também criticou a medida de Trump, dizendo que "pode ou não haver bases para o JCPOA", que "plenamente provou sua eficiência". Anteriormente, a Rússia havia sinalizado sua disposição de permanecer no acordo, desde que outros participantes o fizessem.

    O JCPOA foi assinado pela UE, Irã e o grupo P5+1, incluindo Rússia, China, França, Reino Unido, EUA e Alemanha, em 14 de julho de 2015. O acordo estipula que Teerã não obtenha arma nuclear em troca do cancelamento das sanções contra a República Islâmica.

    Tema:
    EUA se retiram do acordo nuclear com Irã (32)

    Mais:

    Inteligência dos EUA suspeita que Irã esteja prestes a atacar Israel
    EUA deveriam ficar no acordo nuclear iraniano, diz diplomata chinês
    Rússia está 'profundamente desapontada' com saída dos EUA do acordo nuclear iraniano
    Israel e países europeus reagem à saída dos EUA do acordo nuclear iraniano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik