00:01 17 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Israeli Defense Minister Moshe Yaalon (File)

    Com ou sem acordo, ex-ministro de Israel defende sanções contra o Irã

    © AP Photo / Gali Tibbon
    Oriente Médio e África
    URL curta
    615

    O ex-ministro da Defesa israelense Moshe Yaalon pediu a introdução de sanções internacionais contra o Irã, independentemente do destino do Plano de Ação Integral Conjunta (JCPOA), também conhecido como acordo nuclear com o Irã, a fim de persuadir Teerã a abandonar suas ambições nucleares e restringir a expansão na região.

    Juntamente com Israel, o presidente dos EUA, Donald Trump, descreveu repetidamente o JCPOA como o pior acordo da história dos EUA e agora enfrenta um prazo final de 12 de maio para decidir se Washington continuará ou não como parte do acordo nuclear.

    "Pressões desse tipo podem forçá-los a reconsiderar a ideia de possuir armas nucleares e campanhas subversivas na região, então eu insisto: vamos pressionar o regime agora", disse o ex-ministro em entrevista à Sputnik.

    Yaalon disse que o JCPOA era "ruim e deveria ser revisto", e que as sanções contra o Irã são "necessárias", pois, segundo Israel, os iranianos estavam fornecendo armas para os houthis no Iêmen e desenvolvendo mísseis capazes de transportar ogivas nucleares.

    No início da semana, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu anunciou que Israel obteve 100 mil documentos em papel e digitais, que, segundo ele, provam de forma irrefutável que o programa nuclear do Irã tem um componente militar secreto, codinome "Project Amad". Esta declaração foi feita em meio à discussão internacional sobre a necessidade de apertar o acordo nuclear ou anulá-lo.

    Yaalon chamou o arquivo obtido pela inteligência israelense de "uma conquista enorme e muito importante", provando as declarações israelenses sobre o Irã.

    "Nos anos 90, nossa inteligência entendeu que eles estão se esforçando para o potencial nuclear militar, não para o civil", destacou.

    Além disso, Yaalon disse ter certeza de que os iranianos não violaram o acordo.

    "Seria insensato para eles não cumprirem o acordo, para eles é um acordo inconcebivelmente vantajoso […] Mas isso não significa que após a transação eles não serão capazes de produzir uma bomba nuclear dentro de um ano", afirmou o ex-ministro.

    As autoridades iranianas tornaram-se mais sensíveis à pressão externa por causa da crise econômica e da ameaça de uma onda de protestos, explicou Yaalon.

    Em 14 de julho de 2015, a União Europeia e o grupo de países P5 + 1 — China, Alemanha, França, Rússia, Reino Unido e Estados Unidos — assinaram o JCPOA com Teerã. O acordo estipulou o levantamento gradual de sanções anti-iranianas em troca de Teerã reprimir seu programa nuclear e permitir inspeções para garantir que a natureza do programa seja pacífica.

    Mais:

    Irã se diz preparado para fim do acordo nuclear com os EUA
    Arábia Saudita 'espera que Israel faça o trabalho por eles e lute contra Irã'
    Ex-embaixador dos EUA explica por que acusações de Netanyahu contra Irã vieram à tona
    Tags:
    programa nuclear, diplomacia, sanções, armas nucleares, acordo nuclear, JCPOA, Donald Trump, Benjamin Netanyahu, Moshe Yaalon, Irã, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik