17:58 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Os marinhos russos e sírios participam dos exercícios militares conjuntos no porto sírio de Tartus.

    Rússia dará resposta imediata se seus militares forem atacados pelos EUA na Síria

    © Sputnik / Dmitriy Vinogradov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Ataque à base aérea síria (17)
    29806

    O primeiro vice-presidente do Comitê de Defesa e Segurança (câmara alta do parlamento russo), Yevgeny Serebrennikov, pronunciou nesta quarta-feira (11) que a Rússia responderá imediatamente se seus militares na Síria forem atingidos por um possível ataque aéreo dos EUA.

    Assim como os soldados russos na Síria, a base aérea em Hmeymim e a base naval em Tartus, encontram-se sob forte proteção devido ao fato de que os EUA devem realizar ataques aéreos na Síria em resposta a um suposto ataque químico na cidade de Douma, segundo disse Serebrennikov à Sputnik Internacional.

    "Como o Ministério da Defesa já havia informado, as bases militares da Rússia em Hmeymim e Tartus estão sob forte proteção. Ao mesmo tempo, esperamos que em caso de ataques dos Estados Unidos, as vidas de nossos militares não sejam ameaçadas. Acho que os EUA entendem e não permitirão isso, caso contrário a resposta da Rússia será imediata, de acordo com o chefe do Estado-Maior da Rússia", informou Serebrennikov.

    Na semana passada, houve relatos que as forças do governo da Síria usaram cloro durante o ataque em Douma, matando até 70 pessoas. Os EUA culparam Damasco pelo suposto uso de armas químicas e alegaram que estavam considerando todas as possíveis opções em resposta a isso.

    Tema:
    Ataque à base aérea síria (17)

    Mais:

    General russo garante: Rússia pode responder militarmente se EUA atacarem a Síria
    Agência europeia alerta Mediterrâneo quanto a possíveis ataques aéreos à Síria em 72h
    Rússia veta resolução dos EUA na ONU para abrir inquérito sobre armas químicas na Síria
    Tags:
    ameaça, armas químicas, ataque, militares russos, Ministério da Defesa (Rússia), Hmeymim, Tartus, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik