01:46 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Base aérea síria na província de Homs

    Opinião: Síria tem direito de revidar ataque contra sua base

    © Sputnik / Ilia Pitalev
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14222

    Atualmente a República Árabe da Síria tem direito de revidar às bases militares das quais foram lançados mísseis que atacaram o aeródromo militar sírio na província de Homs, afirma o deputado russo.

    Anteriormente, a agência estatal da Síria SANA comunicou que a base aérea T-4, localizada na província síria de Homs, foi alvo de ataque de mísseis.

    "Agora, a Síria tem direito de realizar ataque em resposta contra aquelas bases [de onde os mísseis foram lançados] se isso veio da coalizão, e não duvido que este seja um dos países da coalizão que se encontra na Síria ilegalmente", afirmou o vice-presidente do Comitê de Segurança e Defesa da Duma de Estado (câmara baixa do parlamento russo), Yuri Shvytkin.

    Assim, ele confirmou que a Síria "pode atacar aquelas bases que se encontram no território da República Árabe da Síria e também contra aquele Estado, cujo território foi atingido por um ataque de mísseis".

    Previamente, o Ministério da Defesa russo afirmou que a "Força Aérea de Israel, sem invadir o espaço aéreo da Síria, realizou do território libanês ataques com oito mísseis contra a base T-4. As unidades de defesa antimíssil síria, em combate aéreo, conseguiram abater cinco mísseis".

    Israel ainda não confirmou as informações, enquanto a mídia libanesa informou que aviões de reconhecimento israelenses foram avistados na área no momento do ataque.

    Mais:

    Daesh tenta ofensiva na Síria após bombardeio de base aérea
    'Eles não são suicidas': senador russo acha improvável que EUA ataquem na Síria
    'Farsa': militares russos negam uso de armas químicas na Síria
    França e EUA prometem 'resposta dura' ao suposto ataque químico na Síria
    Tags:
    medidas de resposta, direito, mísseis, base aérea, ataque, Duma de Estado, Yuri Shvytkin, Homs, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik