03:17 28 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Ministério das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif

    'Complô contra Damasco': Irã critica acusações de uso de armas químicas pelo governo sírio

    © AP Photo / Petr David Josek
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 51

    O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores do Irã, Bahram Ghasemi, afirmou no domingo (8) que as acusações de uso de armas químicas em Duma, na Síria, seriam outra conspiração contra Damasco e um pretexto para uma ação militar contra o governo do país.

    No sábado (7), vários meios de comunicação, citando militantes sírios, acusaram Damasco de usar armas químicas na cidade de Duma. O assessor de segurança interna do presidente dos EUA, Donald Trump, Tom Bossert, disse no domingo (8) que não descartou ações militares contra o governo sírio devido ao conteúdo dos relatórios. Ao mesmo tempo, Trump acusou a Rússia e o Irã de apoiar o líder sírio Bashar Assad.

    "Tais afirmações dos EUA e de alguns países ocidentais são uma indicação de um novo complô contra o governo e o povo da Síria e uma desculpa para uma ação militar contra eles", disse Ghasemi, segundo a agência de notícias Irna.

    A retórica aumenta a complexidade da situação no país e na região e encoraja os terroristas em seus crimes, de acordo com o porta-voz.

    Ghasemi observou que o governo sírio havia destruído todas as suas armas químicas e suas instalações de fabricação sob a supervisão da Organização das Nações Unidas (ONU). Ele enfatizou que o suposto uso de armas químicas seria inexplicável, mesmo em termos de lógica, já que o Exército sírio tinha "vantagem" no campo de batalha.

    Mais cedo o domingo (8), o Centro de Reconciliação Síria do Ministério da Defesa da Rússia refutou os relatos sobre o uso de uma bomba de cloro em Duma, acrescentando que estava pronta para enviar seus especialistas para provar a natureza artificial das declarações.

    O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que as acusações sobre o suposto uso de armas químicas pelas forças do governo sírio visavam encobrir os terroristas e justificar uma possível ação militar externa. 

    O Ministério alertou contra qualquer ação militar baseada em relatórios improvisados e fabricados, acrescentando que isso pode ter conseqüências severas.

    Mais:

    França e EUA prometem 'resposta dura' ao suposto ataque químico na Síria
    Após suposto ataque químico, base aérea síria é atingida por mísseis
    Rebeldes começam a deixar cidade síria de Douma em troca da libertação de reféns
    EUA querem provocar Moscou com declaração sobre Síria, diz parlamentar russo
    Tags:
    Guerra da Síria, ONU, Bashar Assad, Donald Trump, Bahram Ghasemi, Irã, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik