01:00 23 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Mohamed bin Salman, herdeiro do trono saudita

    Inimigos do Irã: príncipe saudita reconhece que Israel tem 'direito' a ter sua terra

    © Sputnik / Aleksei Druzhinin
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5159

    O príncipe herdeiro e líder de fato da Arábia Saudita disse nesta segunda-feira que Israel tem "direito" a uma pátria, uma mudança notável na posição do reino, já que Riad e Tel Aviv ainda não têm relações diplomáticas formais.

    Porém, mas nos bastidores, melhorias em seus laços se aceleraram nos últimos anos. Ambos os países veem o Irã como sua maior ameaça externa e os Estados Unidos como seu principal aliado, e ambos enxergam o perigo de extremistas islâmicos armados.

    O conflito de Israel com os palestinos há muito tempo se mostrou um obstáculo para uma reaproximação total, já que Riad ainda apoia a reivindicação de soberania da Palestina.

    Mas agora o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman parece colocar as reivindicações de terras rivais em pé de igualdade. Questionado por Jeffrey Goldberg, editor-chefe da revista de notícias norte-americana The Atlantic, se o "povo judeu tem direito a um Estado-nação em pelo menos parte de sua pátria ancestral?", ele deu a seguinte resposta:

    "Acredito que cada povo, em qualquer lugar, tem o direito de viver em sua nação pacífica", disse o príncipe, que está em uma turnê de três semanas pelos EUA. "Acredito que os palestinos e os israelenses têm o direito de ter sua própria terra".

    "Mas nós temos que ter um acordo de paz para assegurar a estabilidade para todos e ter relações normais", continuou.

    Desde 2002, a Arábia Saudita tem sido o principal patrocinador da Iniciativa de Paz Árabe, que prevê uma solução de dois Estados para o conflito entre palestinos e israelenses. Mas não se sabe se algum alto oficial saudita tenha aceitado anteriormente que Israel tenha "direito" a qualquer terra além da necessidade prática de garantir um acordo duradouro.

    Se, como esperado, o príncipe herdeiro a suceder o seu pai octogenário, o rei Salman, e ascender ao trono saudita, ele também se tornará o guardião dos santuários mais sagrados do Islã.

    Contudo, ele disse a Goldberg que não tinha "objeção religiosa" aos israelenses que vivem ao lado dos palestinos, desde que o principal local sagrado muçulmano em Jerusalém — o complexo da mesquita de Al-Aqsa — seja protegido.

    "Temos preocupações religiosas sobre o destino da mesquita sagrada em Jerusalém e sobre os direitos do povo palestino", avaliou. "É isso que temos. Não temos nenhuma objeção contra outras pessoas".

    Mais:

    Arábia Saudita promete criar bomba nuclear caso Irã faça o mesmo
    Arábia Saudita adota programa nuclear nacional
    Reino Unido e Arábia Saudita falam em conter o Irã juntos
    Tags:
    judeus, muçulmanos, relações bilaterais, diplomacia, Rei Salman, Mohammed bin Salman, Palestina, Estados Unidos, Irã, Israel, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik