22:04 19 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Agricultura familiar

    Senador australiano diz que agricultores brancos são alvo de 'genocídio' na África do Sul

    Paulo Filgueiras/ GERJ
    Oriente Médio e África
    URL curta
    873

    As pessoas que atacam fazendeiros sul-africanos são "subumanas", de acordo com o senador australiano em Queensland, Fraser Anning, que descreveu os recentes acontecimentos no país africano como "o início do genocídio".

    O ex-membro do One Nation, um partido populista de direita na Austrália, Anning conversou com os defensores dos agricultores brancos sul-africanos do lado de fora do Parlamento de Queensland, em Brisbane, no último domingo.

    "Este é o começo do genocídio, tanto quanto eu estou preocupado, e só vai piorar porque o genocídio acabou de começar", disse ele. "Qualquer um que ferve uma criança em um banho, estupra sua mãe e abate as pessoas do jeito que elas estão abatendo agora é subumano".

    O senador também lançou dúvidas sobre a capacidade dos sul-africanos negros de trabalhar a terra.

    "Essas pessoas, quando assumem as fazendas, como vimos na Rodésia [Zimbábue], as fazendas vão se arruinar", afirmou. "Dentro de mais alguns anos, eles estarão perguntando, exigindo nosso apoio e você pode ter certeza de que as Nações Unidas exigirão que nós ajudemos essas pessoas com auxílio externo".

    Pessoas colocam flores no Memorial do Genocídio Armênio, em Erevan, no dia 21 de abril de 2015
    © REUTERS / David Mdzinarishvili

    Anning apoiou a proposta do político australiano e ministro australiano de Assuntos Internos, Peter Dutton, de conceder aos agricultores sul-africanos o status de refugiados. No início deste mês, Dutton pediu vistos de emergência para os agricultores brancos da África do Sul, dizendo que "é uma circunstância horrível que eles enfrentam" e que eles "merecem atenção especial".

    Criticando os migrantes de outras áreas, Anning disse que os sul-africanos eram "industriosos, são trabalhadores, têm os mesmos valores cristãos, ao contrário de outras pessoas que temos trazido para o país", os quais, ele alegou, "querem destruir o nosso país".

    A suposta perseguição de fazendeiros brancos na África do Sul tem sido destacada pelos recentes relatos da mídia. Eles começaram a cobrir os eventos depois que as autoridades sul-africanas aprovaram uma nova legislação que permite a redistribuição de terras pertencentes a fazendeiros brancos a cidadãos negros sul-africanos.

    A população de 50 milhões da África do Sul é predominantemente negra, mas os cidadãos brancos possuem 72% das terras agrícolas. O novo presidente do país, Cyril Ramaphosa, prometeu no mês passado devolver as terras de propriedade dos fazendeiros brancos desde os anos 1600 aos cidadãos negros do país, sem indenização para os proprietários.

    Mais:

    Cyril Ramaphosa é eleito o novo presidente da África do Sul
    Presidente da África do Sul renuncia ao cargo após escândalo de corrupção
    África do Sul exige explicações dos EUA após declaração racista de Donald Trump
    Tags:
    fazendeiros, refugiados, reforma agrária, racismo, genocídio, ONU, One Nation, Cyril Ramaphosa, Peter Dutton, Fraser Anning, Austrália, África do Sul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik