17:08 23 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Destacamento iraniano na Síria

    Irã manda aviso para os EUA: não tomem decisões 'tolas' na Síria

    © Sputnik / Mikhail Voskresenky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    16347

    O Irã alertou os Estados Unidos a não tomarem decisões "tolas" quanto a possíveis ações militares contra a Síria.

    O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores iraniano, Bahram Qassemi, aconselhou a Casa Branca a pensar cuidadosamente antes de adotar uma abordagem mais intervencionista na Síria. Os comentários de Qassemi vieram depois que o presidente Donald Trump ter substituído Rex Tillerson como o secretário de Estado dos EUA na terça-feira.

    Tillerson foi considerado menos agressivo do que muitos outros na administração Trump quando se trata de política externa e, desde sua partida, alguns especialistas em política externa especularam que a Casa Branca está se preparando para tomar novas ações militares contra as forças do governo sírio.

    A escolha de Trump para substituir Tillerson pelo diretor da CIA, Mike Pompeo, é mais uma indicação de que sua política externa poderia estar se movendo em uma direção mais bélica. Pompeo manteve pontos fortes sobre o Irã, a Coreia do Norte e a Rússia.

    O movimento ocorre quando o general do Exército russo, Valery Gerasimov, advertiu nesta semana que Washington estava se preparando para lançar ataques aéreos contra a Síria usando supostos ataques químicos como pretexto.

    Na segunda-feira, a enviada dos EUA à ONU, Nikki Haley, advertiu que os EUA estavam dispostos a agir contra a Síria se a comunidade internacional "não atuar". Haley citou o ataque do ano passado pelo Exército dos EUA na base aérea de Shayrat. Esses ataques foram ordenados em resposta a acusações de um ataque químico lançado pelas forças do presidente sírio Bashar Assad. Os EUA esperaram apenas três dias antes de atacar a base aérea, apesar do fato de que não havia nenhuma prova conclusiva de que o ataque foi realizado pelas forças do governo sírio.

    Washington acusou Damasco e Moscou de usar força excessiva no leste de Ghouta, uma região que tem sido controlada por grupos terroristas há anos. A Rússia afirmou consistentemente que as potências ocidentais estão usando a situação nos subúrbios de Damasco como pretexto para pressionar Moscou e insistiu que suas operações antiterroristas não violaram o acordo de cessar-fogo.

    Damasco negou o uso de armas químicas, insistindo que não tem motivo para usar essas armas, já que suas forças estão mantendo a vantagem contra grupos rebeldes e terroristas.

    Haley também acusou a Rússia de não ter observado um cessar-fogo de 30 dias no país devastador da guerra e disse que Moscou inseriu uma "lacuna antiterrorista" no acordo. Ela disse que uma nova resolução de cessar-fogo patrocinada pelos EUA não incluirá uma lacuna antiterrorismo, mas não especificou como Washington planeja impedir que grupos terroristas quebrem o cessar-fogo.

    Em resposta aos comentários de Haley, o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que os EUA tentaram encobrir seu próprio fracasso em controlar adequadamente os grupos militantes anti-governamentais, com os quais eles têm contato próximo.

    Lavrov disse que os EUA planejam permanecer na Síria por um longo tempo "se não for para sempre", usando provocações de armas químicas como pretexto para sua presença contínua. O objetivo final, disse ele, era contribuir para o colapso da República Árabe da Síria.

    Teerã defendeu seu próprio papel na Síria. Ao contrário da coalizão liderada pelos EUA, a presença do Irã é devido a um pedido oficial de Damasco, disse Qassemi. Ele enfatizou que a prioridade do Irã é ver a paz retornar à Síria "através da diplomacia" e não por uma maior ação militar desestabilizadora.

    Moscou advertiu que responderá se Washington fizer mais ataques às forças sírias ou colocar seus próprios militares russos em risco.

    Mais:

    Irã abrirá linha de crédito bilionária para reconstrução do Iraque
    Laços estreitos: Irã pode se unir à zona de livre comércio liderada pela Rússia
    Reino Unido e Arábia Saudita falam em conter o Irã juntos
    Tags:
    conflito sírio, guerra, diplomacia, ONU, Sergei Lavrov, Nikki Haley, Valery Gerasimov, Mike Pompeo, Rex Tillerson, Bahram Qassemi, Bashar Assad, Síria, Estados Unidos, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik