06:39 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Simulação de como responder a um ataque de armas químicas na cidade síria de Aleppo

    Londres ameaça Damasco com ataques aéreos caso uso de armas químicas seja provado

    © AFP 2018 / JM LOPEZ
    Oriente Médio e África
    URL curta
    19321

    O chanceler britânico, Boris Johnson, afirmou que o Reino Unido poderia apoiar a ideia de realizar ataques aéreos contra o governo sírio se surgir alguma evidência do uso de armas químicas.

    "Se soubermos que isso aconteceu e o pudermos demonstrar, se houver uma proposta de ação na qual o Reino Unido possa ser útil, acho que deveríamos considerá-la com toda a seriedade", disse o diplomata à BBC.

    Esta declaração foi pronunciada um dia após a organização não-governamental Capacetes Brancos ter afirmado que o governo sírio teria alegadamente empregado gás de cloro na região de Ghouta Oriental, matando uma criança e provocando "asfixia maciça" entre os civis.

    Os Capacetes Brancos foram muitas vezes acusados de falsificar informações sobre sua atuação na Síria e encenar tentativas de "resgate" em seus vídeos propagandísticos.

    Embora tenha sido repetidas vezes acusada de ter usado armas químicas, a Síria tem negado expressamente possuí-las, pois todo o seu arsenal foi eliminado alguns anos atrás, tendo a completa destruição destas armas sido confirmada pela Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ).  

    Mais cedo, a mesma ameaça foi feita pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que disse no início deste mês que lançaria ataques aéreos contra Damasco caso se descobrisse que o governo do país realmente usou armas de destruição maciça contra a população civil.

    Mais:

    Erdogan: resolução da ONU sobre cessar-fogo na Síria não está sendo respeitada
    Bombardeio da coalizão liderada pelos EUA deixa 29 mortos na Síria
    Putin afirma que cessar-fogo na Síria não se refere a operações antiterroristas
    Tags:
    ataques aéreos, armas químicas, OPAQ, Emmanuel Macron, Boris Johnson, Síria, Reino Unido
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik