00:40 24 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Caça israelense F-16 D (foto de arquivo)

    Israel responde a ataque proveniente da Faixa de Gaza

    © AFP 2018 / Jack Gues
    Oriente Médio e África
    URL curta
    112

    A aviação israelense atacou a "infraestrutura subterrânea" dos militantes palestinos na Faixa de Gaza, respondendo ao ataque de um foguete lançado da área, comunicaram militares israelenses.

    Há dois dias que os lados continuam a troca de ataques. 

    "As Forças de Defesa de Israel, utilizando a aviação, atacou a infraestrutura subterrânea na parte sul da Faixa de Gaza, respondendo ao lançamento de um foguete contra Israel", se lê no comunicado do serviço da imprensa do exército israelense.

    Os militares não especificaram de que alvos se tratou. Provavelmente, estes foram túneis de combatentes palestinos. 

    Netanyahu discursa durante a Conferência de Segurança de Munique, em 18 de fevereiro de 2018
    © REUTERS / Lennart Preiss/MSC Munich Security Conference/Handout
    O foguete, lançado mais cedo da Faixa de Gaza, caiu em uma área fronteiriça, sem causar danos.

    No sábado (17) e no domingo (18), os militares israelenses dispararam contra 18 alvos militares do movimento palestino Hamas em resposta à explosão de um dispositivo explosivo que deixou quatro militares israelenses feridos. 

    Os lançamentos de foguetes da Faixa de Gaza se intensificaram logo após a decisão do presidente dos EUA, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel, em 6 de dezembro de 2017. As autoridades israelenses culpam o movimento Hamas pelos ataques com foguetes, exigindo o cumprimento do cessar-fogo por todas as fações palestinas.

    Mais:

    Ministro do Irã provoca Israel e nega que Teerã queira dominar o Golfo Pérsico
    Hezbollah ameaça ataques contra operações de petróleo e gás de Israel (VIDEO)
    Por que Israel não se atreve a usar caças de 5ª geração na Síria?
    Tags:
    foguete, resposta, ataque, Hamas, Faixa de Gaza, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik