19:15 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Presidente dos EUA, Donald Trump, recebe o líder palestino, Mahmoud Abbas, na Casa Branca

    Paz possível? Trump vai revelar plano de paz para o Oriente Médio em até 3 meses, diz OLP

    © REUTERS / Carlos Barria
    Oriente Médio e África
    URL curta
    803

    Um relatório de 92 páginas recentemente apresentado ao Conselho Central Palestino, mais conhecido como o "pequeno parlamento" da Organização de Libertação da Palestina (OLP), estima que o presidente dos EUA, Donald Trump, apresentará seu plano de paz para resolver o conflito no Oriente Médio dentro de dois ou três meses.

    A informação foi confirmada por múltiplas fontes à Sputnik.

    É um "relatório político" preparado pelo secretário-geral do comitê executivo da OLP, Saeb Erekat, no qual são oferecidos alguns detalhes do plano.

    O texto revela que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu quer incorporar 15% do território da Cisjordânia ocupada em Israel, enquanto Trump fala de 10%.

    Da mesma forma, os norte-americanos vão propor que a capital do futuro Estado palestino esteja nos subúrbios de Jerusalém e não no setor oriental da cidade sagrada, como os palestinos questionam e defendem.

    Trump também propõe que haja uma permanência constante das tropas israelenses no Vale do Jordão e nas montanhas da Cisjordânia.

    Na mídia palestina, afirma-se que o plano de Trump é uma mera transferência para o papel das posições de Israel, e que é projetado para os palestinos rejeitá-lo e assim Netanyahu pode mostrar ao mundo que, enquanto Israel quer paz, os palestinos a rejeitam.

    Mais:

    Organização para a Libertação da Palestina convoca conferência para criar Estado soberano
    Liga Árabe prepara ofensiva diplomática em defesa da Palestina
    Inteligência israelense desmascara 'rede terrorista' palestina financiada por Teerã
    Tags:
    política, acordo de paz, diplomacia, OLP, Saeb Erekat, Benjamin Netanyahu, Cisjordânia, Estados Unidos, Israel, Palestina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik