10:06 18 Julho 2019
Ouvir Rádio
    Membros das Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas durante exercícios militares na cidade síria de Al-Malikiya

    Síria: nossa defesa antiaérea está pronta para destruir aviação turca caso ela ataque

    © AFP 2019/ DELIL SOULEIMAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3293

    O Ministério das Relações Exteriores sírio sugeriu que Turquia não pratique ações hostis em Afrin, dizendo que Damasco vai considerar isso como ato de agressão, minando a soberania do país.

    "Avisamos para as autoridades turcas que, se elas iniciarem operações de combate na área de Afrin, consideraremos a ação como ato de agressão do exército turco", disse a repórteres o vice-ministro das Relações Exteriores sírio, Faisal Mekdad.

    A declaração foi feita depois de o ministro das Relações Exteriores turco, Mevlut Cavusoglu, ter dito que Ancara vai intervir em Afrin e Manbij sírias, mencionando a ameaça representada pelos militantes curdos à integridade da fronteira síria.

    Cavusoglu também comentou a posição da Turquia em relação às forças governamentais sírias em Idlib, dizendo que seus avanços devem ser parados.

    No entanto, o Estado-Maior General da Turquia teria posicionado tropas na fronteira com a Síria em estado de alerta, preparando-se, assim, para uma possível operação em Afrin contra as formações armadas das Unidades de Proteção Popular (YPG), que são consideradas pela Turquia uma organização terrorista devido à sua associação ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão, também banido no país.

    Uma posição semelhante à de Mekdad sobre presença dos EUA na Síria foi pronunciada por uma fonte do Ministério das Relações Exteriores da Síria, citada pela agência de notícias síria SANA em 18 de janeiro, sobre a necessidade de os assuntos internos de qualquer país serem resolvidos exclusivamente pelo seu povo.

    O comentário sucede declaração do secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, de 17 de janeiro, sobre permanência das tropas norte-americanas na Síria para prevenir que o Daesh (o grupo terrorista proibido na Rússia) volte a emergir. Além disso, Tillerson chamou os aliados dos EUA para aumentar a pressão econômica no presidente sírio, Bashar Assad.

    Mais:

    EUA prometem respeito aos interesses da Turquia na Síria
    Pentágono reportou intensos combates com Daesh no vale do Eufrates, na Síria
    Secretário de Estado afirma que os EUA permanecerão na Síria até a queda de Assad
    Tags:
    militares, Partido dos Trabalhadores do Curdistão, YPG, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar