19:49 23 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Tanques turcos perto da fronteira com a Síria, Turquia (foto de arquivo)

    Forças Armadas da Turquia abrem fogo contra posições de curdos na Síria

    © AFP 2018/ BULENT KILIC
    Oriente Médio e África
    URL curta
    10171

    As Forças Armadas da Turquia atacaram o território controlado pelas Unidades de Proteção Popular (YPG) curdas na região síria de Afrin, noroeste do país, depois de ter sido efetuado um ataque contra a zona fronteiriça da Turquia.

    Segundo o canal de televisão turco NTV, foram realizados cerca de dez disparos de artilharia contra o território da Síria.

    O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, declarou em 13 de janeiro que o exército turco poderia lançar durante a semana uma operação militar nas regiões controladas pelas YPG de Afrin e Manbij.

    "Em Manbij, se não forem cumpridas as promessas [por parte dos EUA sobre a retirada das YPG] trataremos do problema pelas nossas próprias mãos. Verão o que faremos dentro de uma semana. Se os terroristas não se renderem, arrancaremos suas cabeças", declarou o presidente.

    Erdogan revelou que os EUA enviaram à Síria 4.900 caminhões e cerca de 2.000 mil aviões com armas.

    "Isso não é uma parceria. Vocês [os EUA] fornecem armas às YPG e ao mesmo tempo estão falando sobre aliança estratégica conosco? […] Os EUA iludem-se se acham que a cooperação com terroristas não prejudicará seus interesses nacionais", disse ele.

    Anteriormente, Ancara condenou repetidamente Washington por dar apoio militar às YPG, consideradas pela Turquia como uma organização terrorista ligada ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido no país.

    Mais:

    Estado-Maior da Turquia declara início de operação na cidade síria de Idlib
    Erdogan declara que Turquia enviará suas tropas para Idlib, na Síria
    Ministério da Defesa da Rússia desmente morte de 150 civis em Idlib devido a seus ataques
    Tags:
    conflito, armas, Unidades de Proteção Popular (YPG), Recep Tayyip Erdogan, EUA, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik