14:11 19 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira do grupo terrorista Daesh (Estado Islâmico)

    Varrido do Iraque e da Síria, Daesh busca refúgio no 'califado virtual'

    © REUTERS / Ali Hashisho
    Oriente Médio e África
    URL curta
    550
    Nos siga no

    À beira da derrota no Iraque e na Síria, o Daesh tem se refugiado no seu "califado virtual" -, mas mesmo online, os especialistas dizem que o grupo terrorista que está em declínio, segundo reportagem da Agência AFP.

    Em 2015, quando os jihadistas mantinham o território do tamanho da Itália, eles também comandavam uma enorme presença digital, inundando a web com propaganda, dando origem a seus militantes e romantizando a vida sob seu domínio.

    Hoje, com muitos dos principais líderes do Daesh mortos ou em fuga, e o que resta da máquina de propaganda já sofisticada do grupo também é uma sombra do que já foi um dia.

    Seus centros de mídia foram destruídos, os propagandistas remanescentes se encontram lutando para manter uma conexão com a internet enquanto batalham contra a vigilância dos serviços internacionais de inteligência.

    O grupo jihadista é menos e menos vocal na internet, em grande parte deixando para trás apoiadores a quem não pode controlar para falar em seu nome.

    "É quase como se alguém pressionasse o botão mudo no Daesh", disse Charlie Winter, pesquisador do King's College London, que estuda as comunicações do grupo há anos.

    Entre 8 e 9 de novembro, o grupo ficou completamente em silêncio durante 24 horas completas no que o Winter disse que era uma ruptura "sem precedentes" das mídias sociais.

    Em 2015, quando o Daesh governava cerca de sete milhões de pessoas no Iraque e na Síria, seus propagandistas produziram "conteúdo de 38 diferentes escritórios de mídia da África Ocidental para o Afeganistão", disse Winter.

    Mas em dezembro, mais de três quartos desses pontos de venda tinham sido "quase totalmente silenciados", acrescentou.

    Albert Ford, pesquisador da organização New America dos EUA, que estudou o êxodo de militantes estrangeiros para se juntar ao Daesh, também disse que a produção de mídia do grupo estava "caindo consideravelmente".

    "Menos lugares para obter informações, menos maneiras de carregá-lo", disse ele.

    Empurrado para a "rede escura"

    De volta em março, quando as forças iraquianas expulsavam o Daesh do seu bastião de longa data, Mossul, um jornalista da AFP conseguiu escapar dos destroços do que já era um centro de mídia jihadista.

    Entre os muros queimados da vila em uma parte luxuosa da cidade estavam os restos de computadores, impressoras e equipamentos de transmissão.

    Nos meses anteriores e anteriores, a coalizão militar liderada pelos Estados Unidos que combateu o grupo anunciou repetidamente a morte de oficiais seniores de comunicação do Daesh, geralmente em ataques aéreos.

    Entre eles, o principal estrategista e porta-voz Abu Mohamed al-Adnani, morto em um ataque dos EUA no norte da Síria em agosto de 2016.

    Hoje em dia, os propagandistas usam principalmente a web para incentivar os adeptos a lançar ataques por sua própria iniciativa, com o grupo muito enfraquecido incapaz de desempenhar papel direto em organizá-los.

    Essas chamadas geralmente são emitidas através da "web profunda" ("dark web"), uma parte altamente codificada da internet que é quase impossível de regular, ou pelo aplicativo Telegram.

    Winter disse ter visto uma tendência emergente de posts que buscam cultivar uma sensação de nostalgia entre os adeptos pelo auge do poder do grupo. Ao retratar os acontecimentos há três anos, uma "era de ouro" roubada por "inimigos do Islã", o Daesh é a esperança de convencer os novos recrutas que tais tempos poderiam voltar se eles se juntarem à causa.

    Bruce Hoffman, especialista em terrorismo da Universidade de Georgetown em Washington, disse que o principal perigo do Daesh agora está no que ele chama de "atacantes habilitados". Um recruta jihadista como este não teria "vínculos prévios com organizações terroristas", disse Hoffman.

    "Mas ele está ministrado com instruções e informações específicas para melhor facilitar e garantir o sucesso de seu ataque", explicou.

    Tais invejáveis jihadistas não precisam procurar mais do que a internet para conselhos abundantes que estão disponíveis online há anos e simplesmente aparecerão novamente após qualquer tentativa de removê-lo.

    Mais:

    'Estamos em sua casa': homem tira selfie com bandeira do Daesh no coração de Nova York
    Daesh está procurando 'novas terras' para se fixar
    Daesh reivindica autoria por ataque terrorista de São Petersburgo
    Tags:
    dark web, conflito, guerra, terrorismo, Daesh, Bruce Hoffman, Abu Mohammed al-Adnani, Albert Ford, Charlie Winter, Oriente Médio, Mossul, Síria, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar