12:38 19 Abril 2018
Ouvir Rádio
    Hassan Rouhani, presidente do Irã

    Arábia Saudita nos chama de inimigo para esconder suas derrotas, diz presidente do Irã

    © AP Photo / Vahid Salemi
    Oriente Médio e África
    URL curta
    3120

    O presidente iraniano, Hassan Rouhani, disse nesta terça-feira que a Arábia Saudita apresenta o Irã como inimigo porque quer encobrir suas derrotas na região do Golfo, em mais um capítulo da retórica inflamada entre os dois países.

    "A Arábia Saudita não teve êxito no Qatar, não teve êxito no Iraque, na Síria e recentemente no Líbano. Em todas essas áreas, eles não tiveram sucesso", disse Rouhani em uma entrevista ao vivo na televisão estatal. "Então eles querem encobrir suas derrotas".

    O reino muçulmano sunita da Arábia Saudita e o Irã xiita estão de volta aos lados rivais nas guerras e crises políticas em toda a região.

    O príncipe herdeiro da Arábia Saudita chamou o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, "o novo Hitler do Oriente Médio" em uma entrevista ao jornal estadunidense New York Times publicada na semana passada, aumentando a guerra de palavras entre os rivais.

    As tensões aumentaram neste mês quando o primeiro-ministro aliado saudita do Líbano, Saad Hariri, renunciou em uma transmissão de televisão em Riad, citando a influência do Hezbollah no Líbano e os riscos para sua vida.

    O Hezbollah chamou o movimento de um ato de guerra criado pelas autoridades sauditas, uma acusação que os sunitas do reino negaram. Hariri retornou ao Líbano na semana passada e suspendeu sua renúncia, mas continuou com suas críticas ao Hezbollah.

    O Irã, o Iraque, a Síria e a Rússia formam uma linha de resistência na região que trabalhou em direção à estabilidade e alcançou "grandes realizações", disse Rouhani na entrevista, que estava revisando seus primeiros 100 dias no cargo em seu segundo mandato.

    Críticas internas

    Separadamente, Rouhani defendeu a resposta de seu governo a um terremoto no oeste do Irã há duas semanas, um grande desafio para sua administração.

    O tremor de magnitude 7,3, o pior do Irã em mais de uma década, matou pelo menos 530 pessoas e feriu milhares. A resposta do governo tornou-se um raio para os rivais de linha dura de Rouhani, que disseram que o governo não respondeu de forma adequada ou rápida ao desastre.

    O líder supremo Khamenei, a maior autoridade no Irã, também criticou a resposta do governo.

    Os meios de comunicação de linha dura destacaram o papel desempenhado pelo Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica, o corpo militar mais poderoso do Irã e uma potência econômica no valor de bilhões de dólares, ajudando as vítimas do terremoto.

    Os ministérios do governo forneceram cuidados de saúde para as vítimas e a habitação temporária foi enviada para a zona do terremoto, mas ainda existem problemas, disse Rouhani na entrevista.

    Mais:

    Irã aumentará alcance de seus mísseis caso 'Europa se torne uma ameaça'
    Irã declara apoio à Síria na luta contra o terrorismo
    Salvador do Irã: general que desempenhou o papel importante na derrota do Daesh
    Tags:
    guerra, política, relações bilaterais, diplomacia, Hezbollah, Saad Hariri, Aiatolá Ali Khamenei, Hassan Rouhani, Líbano, Arábia Saudita, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik