04:20 17 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Lebanon's Prime Minister Saad al-Hariri is seen at the governmental palace in Beirut, Lebanon October 24, 2017

    Premiê do Líbano manda recado duro ao Hezbollah e, nas entrelinhas, ao Irã

    © REUTERS / Mohamed Azakir
    Oriente Médio e África
    URL curta
    19714
    Nos siga no

    O primeiro-ministro libanês, Saad Hariri, disse nesta segunda-feira que o grupo político e militante xiita Hezbollah deve parar de interferir em conflitos regionais e aceitar uma política neutra para pôr fim à crise política do Líbano.

    O Hezbollah, apoiado pelo Irã e sendo parte do governo libanês, está lutando ao lado do presidente sírio Bashar Assad na Síria e no Iraque contra militantes do Daesh.

    As monarquias do Golfo acusaram o grupo xiita de apoiar o grupo Houthi no Iêmen e de apoiar militantes no Bahrein. Hezbollah nega qualquer atividade no Iêmen ou no Bahrein.

    O principal patrocinador de Hariri é a Arábia Saudita, o principal rival regional do Irã, que também interveio em conflitos regionais.

    "Não quero um partido político no meu governo que interfira nos países árabes contra outros países árabes", disse Hariri em uma entrevista gravada na segunda-feira com a emissora francesa CNews.

    "Estou aguardando a neutralidade que concordamos com o governo", disse ele. "Não se pode dizer uma coisa e fazer outra coisa".

    Hariri chocou o Líbano no dia 4 de novembro, renunciando a sua postagem em um comunicado da Arábia Saudita. Sua renúncia, no entanto, não foi aceita e ele acabou voltando atrás em sua decisão.

    O presidente Michel Aoun manteve conversações na segunda-feira com outros líderes políticos libaneses sobre o futuro do governo de Hariri, mas não deu sinais se discutiam a demanda de Hariri de que o país se afastasse da turbulência regional.

    "O Líbano não pode resolver uma questão como o Hezbollah, que está na Síria, no Iraque, porque é uma solução política regional que precisa ser feita", disse Hariri. "A interferência do Irã nos afeta a todos. Se queremos uma política boa para a região, não devemos interferir".

    Ele disse que estava pronto para permanecer no primeiro ministro se o Hezbollah aceitasse manter a política estadual de ficar fora dos conflitos regionais.

    No entanto, eu disse que renunciaria se o Hezbollah não observasse isso, embora consultas até agora tivessem sido positivas. "Eu acho que, no interesse do Líbano, Hezbollah está realizando um diálogo positivo, eles sabem que temos que permanecer neutros na região".

    Ele disse que se as negociações desta semana terminassem positivamente, ele poderia modificar a maquiagem do governo e acrescentou que ele estava aberto a eleições antes do próximo ano.

    Mais:

    'Rumores': premiê do Líbano nega que tenha sido detido na Arábia Saudita
    Chanceler do Líbano afirma que a crise em seu país é fruto de interferência externa
    'Conflitos sangrentos' podem surgir com a crise do Líbano, diz ministro alemão
    Tags:
    política, relações bilaterais, diplomacia, terrorismo, Hezbollah, Saad Hariri, Golfo Pérsico, Arábia Saudita, Iraque, Síria, Irã, Líbano
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar