13:25 24 Abril 2019
Ouvir Rádio
    Palestino mascarado segurando um pneu em chamas durante confrontos com tropas israelenses em uma aldeia na Cisjordânia, 10 de novembro de 2017

    'Asfixia e encarceramento': Israel revela arquivos sobre guerra com países árabes

    © REUTERS/ Mohamad Torokman
    Oriente Médio e África
    URL curta
    733

    Os documentos revelam informações sobre a estratégia do governo israelense quanto ao tratamento ao povo palestino. Alguns deles proporcionam muitas premonições dos confrontos atuais entre Israel e Palestina.

    Israel desclassificou documentos sobre a Guerra dos Seis Dias, que revelam planos controversos do governo quanto ao tratamento aos palestinos. A informação foi publicada nos Arquivos do Estado de Israel em 16 de novembro e também inclui centenas de páginas de atos das reuniões do gabinete entre agosto e dezembro de 1967, pouco depois da Guerra dos Seis Dias, em junho do mesmo ano.

    A guerra de Israel com os seus vizinhos árabes terminou com a tomada por Israel de Jerusalém Oriental e Cisjordânia da Jordânia, a Faixa de Gaza e a península do Sinai do Egito, e as Colinas de Golã da Síria.

    Os documentos detalham informações sobre a estratégia do governo israelense sobre como tratar o povo palestino e mostram o despreparo dos israelenses para arcar com as consequências de sua vitória.

    "Há 600.000 árabes nestes territórios agora. Qual será seu status?", perguntou o primeiro-ministro Levi Eshkol em dezembro de 1967, de acordo com o jornal Haaretz. "Sugiro que não votemos nem tomemos uma decisão hoje; há tempo para lidar com esta alegria; melhor dizer, há tempo para lidar com este problema."

    "Se esperarmos 20 anos, o mundo se acostumará com a nossa presença nestes territórios, em todo o caso pelo menos se acostumaram com a presença do rei da Jordânia", sugeriu o ministro do Transporte, Moshe Carmel. "Temos mais direitos. Possuímos mais ligações aos territórios do que ele", adicionou.

    Na época, o ex-primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, comparou Gaza a uma prisão ao ar livre, mas parece que o governo israelense sempre quis que fosse assim mesmo. "Precisamente pela asfixia e encarceramento na região, talvez os árabes se mudem da Faixa de Gaza", afirmou Eshkol, comunica o site Mondoweiss.

    "Talvez, se não fornecermos bastante água, não terão outra opção, porque as hortas deixarão de crescer e serão destruídas", acrescentou Eshkol, em uma sugestão que parece se ajustar, segundo assinalou a mídia, à definição de genocídio da ONU que inclui "infligir deliberadamente as condições de vida calculadas para provocar a sua destruição física no todo ou em partes".

    Mais:

    Por fechamento de representação diplomática, Palestina ameaça romper laços com EUA
    Ministro israelense admite laços secretos de Israel com vários países árabes e muçulmanos
    Inteligência de Israel tenta minar programa nuclear do Irã?
    Tags:
    genocídio, prisão, revelação, documentos secretos, ONU, Palestina, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar