04:28 20 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    A usina nuclear Bushehr no Irã

    Irã sentencia 'agente do Mossad' à morte por assassinato de cientistas

    © AP Photo / Vahid Salemi, file
    Oriente Médio e África
    URL curta
    23322
    Nos siga no

    O Irã condenou à morte a uma pessoa declarada culpada de fornecer informações a Israel para ajudá-lo a assassinar vários cientistas nucleares sêniores, disse um promotor de Justiça de Teerã nesta terça-feira.

    Pelo menos quatro cientistas foram mortos entre 2010 e 2012, no que Teerã disse ser um programa de assassinatos destinado a sabotar seu programa nuclear. Irã enforcou um homem em 2012 por envolvimento nos assassinatos, dizendo que ele tinha conexões com Israel.

    Na mais recente condenação, o promotor de Teerã, Abbas Jafari Dolatabadi, disse à agência de notícias do Judiciário: "A pessoa teve várias reuniões com o Mossad (agência de inteligência israelense) e forneceu informações confidenciais sobre os locais militares e nucleares do Irã em troca de dinheiro e residência na Suécia".

    A manchete do relatório descreveu o condenado como um "agente do Mossad".

    Dolatabadi não identificou a pessoa, mas a Anistia Internacional disse na segunda-feira que Ahmadreza Djalali, médico iraniano que estudou e lecionou na Suécia, foi condenado à morte no Irã por acusações de espionagem.

    A Anistia disse ainda que o veredito do tribunal afirma que Djalali trabalhou com o governo israelense, que posteriormente o ajudou a obter uma autorização de residência na Suécia. Nem o Irã nem a Anistia disseram quando o veredito foi definido.

    Djalali foi preso em abril de 2016 e foi mantido sem acesso a um advogado durante sete meses, três dos quais estavam em confinamento solitário, disse a Anistia, que pede a libertação do médico. "Estamos pedindo a libertação porque ele não cometeu nenhum crime".

    "Djalali foi condenado à morte depois de um julgamento extremamente injusto que expõe mais uma vez não apenas o firme compromisso das autoridades iranianas quanto ao uso da pena de morte, mas seu total desprezo pelo direito da lei", disse Philip Luther, diretor de advocacia para o Oriente Médio da Anistia.

    Os Estados Unidos negaram a acusação do Irã de que ele estava envolvido na morte dos cientistas, e Israel tem uma política de não comentar sobre tais alegações.

    Dolatabadi disse que o médico deu informações ao Mossad sobre aproximadamente 30 cientistas nucleares e militares, incluindo Massoud Ali-Mohammadi, que foi morto por uma bomba controlada remotamente anexada a uma moto fora de sua casa em Teerã.

    O Judiciário disse que também estava ligado ao assassinato do engenheiro nuclear Majid Shahriari, morto em um atentado à bomba em novembro de 2010.

    Mais:

    Trump: EUA não precisam da União Europeia para ampliar sanções contra o Irã
    Irã testa seu novo sistema de defesa aérea de curto alcance (VÍDEO)
    Guarda do Irã: programa de mísseis 'se expandirá e continuará' apesar da pressão dos EUA
    Tags:
    justiça, espionagem, terrorismo, Mossad, Anistia Internacional, Philip Luther, Jafari Dolatabadi, Ahmadreza Djalali, Teerã, Suécia, Israel, Irã
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar