22:12 22 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Militar iraquiano em Kirkuk (foto de arquivo)

    Peshmerga: governo iraquiano pagará caro pela operação em Kirkuk

    © REUTERS / Ako Rasheed
    Oriente Médio e África
    URL curta
    7410

    O ataque a Kirkuk pode ser considerado declaração de guerra aos curdos, autoridades do Iraque pagarão caro por isso, afirmaram tropas peshmerga.

    Peshmerga acrimina a recente ofensiva das Forças Armadas do Iraque em Kirkuk, declarando que eles pagarão caro por isso.

    O assessor sênior do presidente do Curdistão iraquiano Masoud Barzani, Hemin Hawrami, citou a declaração da peshmerga no âmbito da ofensiva das tropas iraquianas na região de Kirkuk.

    "Esse ataque pode ser considerado declaração de guerra contra o povo do Curdistão", disse um representante peshmerga.

    As tropas peshmerga disseram que o ataque é realizado por militares iraquianos e milícias xiitas sob o comando do Corpo de Guardiões da Revolução Islâmica. Os curdos acusam o governo do Iraque e o seu líder Haider al-Abadi de desencadear guerra.

    Peshmerga acusou também a União Patriótica do Curdistão (UPK) de apoiar a campanha militar do Iraque. O líder da UPK, Jalal Talabani, morreu no início deste mês.

    A declaração foi feita em meio à operação militar do Iraque em Kirkuk, destinada a assumir o controle da base militar K1, do aeroporto de Kirkuk, de dois campos de petróleo e do sistema de irrigação.

    Hoje mais cedo, tropas iraquianas entraram na cidade de Tuz Khurmato, a sudeste de Kirkuk.

    O representante da Comissão de Direitos Humanos da ONU no Iraque, Ali Al-Bayati, disse à Sputnik que os recentes combates perto da cidade de Tuz Khurmato, no norte da província de Salah ed-Dean, causou pelo menos duas mortes entre civis e deixou quatro feridos.

    Em 2014, as tropas curdas peshmerga libertaram a província rica em petróleo de Kirkuk dos terroristas do grupo Daesh (proibido na Rússia). Desde então, a região tem sido controlada pelas autoridades curdas e forças peshmerga. Haider al-Abadi obteve autorização do parlamento para deslocar tropas para Kirkuk após o referendo pela independência curdo em 25 de setembro, qualificado por Bagdá como ilegal. Kirkuk, apesar de não fazer parte do Curdistão iraquiano, também tomou parte da votação.

     

    Mais:

    Civis resistem ao Daesh em Kirkuk e enforcam terrorista em praça pública (FOTO +18)
    Forças iraquianas repelem ataque do grupo terrorista Daesh em Kirkuk no norte do Iraque
    Tags:
    conflito, guerra, Peshmerga, Curdistão, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik