22:57 13 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Preparativos para o referendo sobre a independência no Curdistão iraquiano

    Sem reconhecer referendo, EUA erram e fortalecem o Daesh, diz líder do Curdistão

    © REUTERS / Azad Lashkari
    Oriente Médio e África
    URL curta
    515
    Nos siga no

    O Curdistão iraquiano considerou um erro estratégico a posição dos EUA sobre os resultados do referendo sobre a independência desta região autônoma, realizada na segunda-feira, disse o vice-presidente do parlamento curdo, Jaafar Ibrahim, à Sputnik.

    Na última sexta-feira, o secretário de Estado dos EUA, Rex Tillerson, disse que o referendo curdo é ilegítimo e unilateral, ao acrescentar que Washington não reconhece seus resultados e convida todas as partes a evitar a violência.

    "Consideramos a posição estadunidense como um novo erro estratégico da administração dos EUA que liga o referendo democrático à luta contra o Daesh", disse Ibrahim.

    Ele enfatizou que é "um erro histórico precedido por outro quando os EUA decidiram deixar o Iraque e deixar um vazio para os Estados vizinhos e grupos terroristas".

    "Sua posição contra o referendo encoraja terroristas na região, e é a mesma posição que a dos líderes em Bagdá que oprimem [o Curdistão] com suas sanções", disse Ibrahim.

    Ainda segundo o político curdo, os EUA "têm medo de que um momento errado seja escolhido e que (o referendo) possa ser um fator debilitante para a luta contra a luta contra o Daesh".

    "Mostramos em várias mensagens que o Curdistão iraquiano desde o início lutou sozinho contra o Daesh e quebrou a espinha dorsal do terrorismo com a ajuda da comunidade internacional", disse ele.

    A consulta de independência popular ocorreu em 25 de setembro, na região autônoma do Curdistão iraquiano, e nas áreas disputadas por Erbil e Bagdá, incluindo a cidade de Kirkuk.

    De acordo com a comissão eleitoral iraquiana do Curdistão, 93% dos eleitores apoiaram a independência da região.

    As autoridades no Iraque chamaram a consulta ilegítima e enfatizaram que não negociarão com o governo regional curdo ou reconhecerão os resultados da votação.

    O referendo também foi criticado internacionalmente pelos EUA, Irã, Turquia, a ONU e a Liga Árabe.

    Mais:

    Novo conflito à vista? Exército do Irã e do Iraque se unem contra o Curdistão iraquiano
    Erdogan: as autoridades do Curdistão iraquiano vão 'pagar' por terem realizado o referendo
    EUA não reconhecem referendo no Curdistão iraquiano, mas pedem calma
    Tags:
    separatismo, região separatista, referendo, diplomacia, política, Daesh, ONU, Casa Branca, Rex Tillerson, Jaafar Ibrahim, Oriente Médio, Curdistão iraquiano, Curdistão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar