22:41 23 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    78921
    Nos siga no

    O Exército da Síria informou sobre duas baixas mortais na sequência de um ataque aéreo israelense contra suas posições na zona de Masyaf.

    O bombardeamento, que foi realizado às 2h42 desta quinta-feira (7) (23h42 de 6 de setembro GMT, 20h42 horário de Brasília) "causou dois mortos e danos materiais", cita a agência SANA o Comando Geral do exército.

    Segundo o comunicado, a aviação israelense disparou vários mísseis a partir do espaço aéreo do Líbano.

    Os caças israelenses atingiram uma instalação militar e causaram danos extensos. Anteriormente, a agência SANA havia informado que aviões israelenses tinham bombardeado um centro de investigação supostamente relacionado com o programa de armas químicas.

    A notícia do ataque apareceu um dia após uma comissão independente da ONU que investiga crimes e violações dos direitos humanos na Síria ter acusado Damasco do uso de armas químicas, nomeadamente, de gás sarin em Khan Shaykhun em 4 de abril deste ano.

    Há muito tempo que Israel se manifesta contra a presença do Irã na Síria. Recentemente, o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, reiterou as preocupações de Tel Aviv, afirmando que Teerã está alegadamente tentando aumentar sua presença na Síria.

    O Irã e seus aliados, incluindo o movimento xiita libanês Hezbollah, apoiam o governo do presidente Bashar Assad no conflito atual na Síria, combatendo ao lado do exército sírio. Israel, por sua vez, considera o Irã seu principal inimigo, indicando suas capacidades nucleares, discurso hostil e apoio a forças opositoras a Israel no Oriente Médio.

    Mais:

    Do sonho ao pesadelo: como Israel venceu a guerra e acabou com o anseio palestino
    Como a 'pequena' Marinha de Israel poderia iniciar uma guerra nuclear?
    Tags:
    soldados mortos, danos, ataque aéreo, mísseis, vítimas, Hezbollah, Oriente Médio, Irã, Síria, Israel
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar