12:06 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Trabalhadores na cidade de Douma cercada pelos rebeldes, Síria

    General russo se dirige ao povo sírio para elevar moral na luta antiterrorista

    © REUTERS / Bassam Khabieh
    Oriente Médio e África
    URL curta
    2121
    Nos siga no

    O tenente general e comandante adjunto do Centro russo para a Reconciliação na Síria, Sergei Kuralenko, dirigiu uma mensagem aos sírios que, pela primeira vez, foi transmitida pela televisão.

    No seu discurso, o militar russo apelou a neutralizar os terroristas.

    Kuralenko se dirigiu ao povo sírio desde a sede do principal canal estatal de TV, situada em Latakia.

    "Dirijo-me a todos os sírios que desejam libertar seu país dos terroristas e restabelecer a paz e a harmonia. Somente o vosso esforço conjunto permitirá impedir esta guerra fratricida e devolver a paz ansiada à Síria", disse.

    De acordo com suas próprias palavras, devido aos crimes perpetrados pelos jihadistas e pela oposição, as infraestruturas industriais e sociais do país ficaram completamente destruídas, os monumentos, o patrimônio mundial e cultural sofreram danos irreparáveis, e, como se isso não bastasse, milhões de sírios foram obrigados a deixar suas casas.

    "Moscou sempre apoiou Damasco, por isso a Federação da Rússia respondeu ao pedido sírio de prestar assistência na eliminação dos terroristas internacionais que penetraram no seu território", adiantou Kuralenko.

    A Síria tem estado mergulhada em um conflito armado desde o ano de 2011. De acordo com os dados da ONU, cerca de 400 mil pessoas morreram ao longo dos últimos seis anos.

    Mais:

    Síria recebe 30 toneladas de ajuda humanitária da Rússia
    Síria acusa EUA e Reino Unido de fornecerem substâncias tóxicas a terroristas
    Chancelaria síria: falta de investigação mostra que ataque químico em Idlib foi encenado
    Tags:
    guerra civil, discurso, Centro para a Reconciliação na Síria russo, Sergei Kuralenko, Rússia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar