15:45 24 Julho 2017
Ouvir Rádio
    Abdullah bin Zayed al Nahyan, ministro de Relações Exteriores dos Emirados Árabes Unidos

    Emirados Árabes estaria por trás de ataque hacker que gerou crise diplomática com Qatar

    © AFP 2017/ FAYEZ NURELDINE
    Oriente Médio e África
    URL curta
    256302

    Os ataques de hackers à agência de notícias qatari que mais tarde provocaram a crise diplomática entre Doha e vários estados árabes foram planejados pelos Emirados Árabes Unidos, informou o Washington Post, citando funcionários da inteligência dos EUA.

    A Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, o Bahrein e vários outros países cortaram os laços diplomáticos com o Qatar em junho, uma semana após a Cúpula Árabe Islâmica Americana em Riade, quando a agência oficial de notícias qatari publicou um discurso em nome da Emir do país em apoio ao Irã. O Ministério das Relações Exteriores do país  disse à época que o site da agência  havia sido invadido, que o discurso foi publicado por hackers e não refletia a visão do líder do país.

    A inteligência dos EUA teria descoberto sobre o envolvimento dos Emirados Árabes Unidos depois de analisar a informação obtida que os altos funcionários dos Emirados Árabes Unidos alegadamente discutiram o plano de hackear a mídia do Qatar em 23 de maio, um dia antes do ataque. Não está claro se Abu Dhabi realizou os próprios ataques ou recrutou terceiros, de acordo com o jornal.

    Autoridades dos Emirados, em resposta ao artigo do jornal, refutaram as alegações e disseram que a reportagem é falsa.

    "Os Emirados Árabes Unidos não tiveram qualquer papel na supracitada invasão descrita no artigo… O que é verdade é o comportamento do Qatar. Financiando, apoiando e capacitando extremistas do Talibã, Hamas [organizações terroristas, proibidas na Rússia] e Qadafi. Incitando a violência, incentivando a radicalização e prejudicando a estabilidade de seus vizinhos", disse o embaixador dos Emirados Árabes Unidos nos Estados Unidos, Yousef al-Otaiba, como citado pelo jornal.

    No final de junho, o Kuwait, como mediador da crise, entregou ao Qatar o ultimato dos quatro estados árabes com 13 demandas, incluindo os pedidos de relações severas de Doha com Teerã, o fechamento da base militar da Turquia no país e o encerramento do canal de notícias Al-Jazeera. Em resposta, o Qatar afirmou que a lista era impraticável e suplantava sua soberania.

    Mais:

    Boicote ao Qatar será mantido até demandas serem atendidas, dizem países árabes
    Trump e Merkel discutiram ativação dos acordos de Minsk, Qatar e Coreia do Norte
    Estados árabes declaram fracasso das negociações e anunciam punições contra Qatar
    Qatar nega todas as acusações de financiamento do terrorismo
    Embargo do Qatar provocou a morte de milhares de camelos
    Tags:
    Cúpula Árabe Islâmica Americana, Al-Jazeera, Hamas, Talibã, Yousef al-Otaiba, Teerã, Irã, Kuwait, Doha, Abu Dhabi, Estados Unidos, Rússia, Qatar, Bahrein, Emirados Árabes Unidos, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik