09:45 20 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Um combatente norte-americano, que está lutando ao lado das Forças Democráticas da Síria, segura bandeira do seu país

    Deputado sírio: EUA estão fazendo de tudo para dividir meu país

    © REUTERS/ Rodi Said
    Oriente Médio e África
    URL curta
    92667216

    A Síria vem enfrentando duas tarefas principais: combate ao terrorismo e luta contra a divisão da sociedade. Quaisquer ideias separatistas contradizem os princípios da constituição, opinou o secretário do parlamento sírio, Khaled al Abud, em entrevista à Sputnik Árabe.

    Forças dos EUA em Manbij, Síria, foto de arquivo
    © AFP 2017/ DELIL SOULEIMAN
    As autoridades sírias estão envidando muitos esforços para unir todas as nacionalidades e correntes políticos do país. As pessoas, segundo o parlamentar, estão vivendo em condições difíceis de uma guerra de muitos anos. Ao mesmo tempo, o governo norte-americano está fazendo todo o possível para dividir o povo sírio, ou seja, todo o país.

    Os EUA estão focados em Raqqa; e há várias razões para isso.

    "Após terem desistido de controlar o caos na Síria, os [norte-americanos] começaram a pôr em prática sua nova imagem de 'libertadores e lutadores contra terrorismo'. Isso ganha especial relevância se tomar em conta as acusações de Donald Trump contra Barack Obama durante sua campanha eleitoral. Ele [Trump] chamou a administração anterior de cúmplice do Daesh, afirmando estar seguindo uma política diferente", frisa o parlamentar.

    O deputado acha que as vitórias em Raqqa ajudarão Trump a consolidar suas posições nos EUA. Além disso, Washington precisa de Raqqa para criar contrapeso à Rússia.

    De acordo com Khaled al Abud, as Forças Democráticas da Síria (FDS) transferiram nas mãos dos norte-americanos demasiados poderes em Raqqa. No entanto, eles irão se arrepender disso, pois poderão se tornar fantoches dos EUA, assim como outros aliados dos Estados Unidos, falou o parlamentar para a Sputnik Árabe

    Anteriormente, as Forças Democráticas da Síria (FDS) criaram um conselho civil que terá que governar Raqqa após ter sido libertada completamente do Daesh (grupo terrorista proibido na Rússia). No sábado (24), o conselho tomou a decisão de libertar 83 militantes como gesto de boa vontade.

    Mais:

    Exército dos EUA se instala no sul da Síria 'para dividir o país'
    Navios russos lançam 6 mísseis contra posições de terroristas na Síria
    Tags:
    conflito armado, Forças Democráticas da Síria, Barack Obama, Donald Trump, EUA, Raqqa, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik